Search
Close this search box.

O Lado Oculto da Oração

Uma Palestra na Pro-Ecclesia, por Mr. Heindel

Nós nos reunimos aqui esta noite com um duplo propósito: primeiro, porque é domingo e realizamos nosso serviço habitual no Templo Rosacruz; em seguida, porque a Lua está hoje em um signo cardinal, também realizamos a reunião de Cura. Nesse contexto, é muito importante ter em mente o fato de que os estudantes da Fraternidade Rosacruz, localizados em todo o mundo, concentraram hoje seus pensamentos nesta Pro-Ecclesia com o mesmo propósito que estamos buscando alcançar agora; ou seja, gerar pensamentos de ajuda e cura e concentrá-los em uma direção comum, para que possam estar disponíveis para auxiliar os Irmãos Mais Velhos da Ordem Rosacruz em seu trabalho benéfico para a Humanidade.

Mas se realmente queremos realizar algo nessa direção, devemos ter uma compreensão muito clara e definida do nosso objetivo e dos meios de alcançá-lo. Não basta sabermos de maneira vaga sobre as doenças e o sofrimento que existem no mundo, e termos uma ideia confusa de ajudar e aliviar esse sofrimento, seja ele físico ou mental. Devemos fazer algo definitivo para alcançar nosso objetivo, e portanto, será bom colocarmos em nossa mente uma ilustração que possa nos ajudar. Vamos supor que um de nossos prédios esteja em chamas, um monte de lixo tem se acumulado em um canto e, por combustão espontânea, finalmente se transformou em fogo. Temos uma mangueira, água e um bico para que possamos direcionar a água ao fogo e tentar apagá-lo. Mas para fazer isso, devemos primeiro abrir a água e apontar o bico na direção certa; além disso, o jato de água deve ser adequado para lidar com o fogo. Não nos ajudará em nada se apenas ligarmos o fluxo pela metade, ou se tivermos um pequeno jato e o esguicharmos para lá e para cá. Devemos mirá-lo diretamente no coração do fogo e ele deve ser adequado em força e volume para lidar com o material em chamas. Se tivermos esses requisitos, poderemos apagar o fogo no prédio e, assim, teremos alcançado nosso propósito pelo uso adequado de meios eficientes.

A cura de doenças oferece uma perfeita analogia, pois qualquer doença, podemos dizer, é realmente um fogo, o Fogo Invisível que é o Pai, tentando desfazer as condições cristalizadas que temos reunido em nosso corpo. Reconhecemos a febre como um fogo, mas tumores, cânceres e tudo o mais são realmente também o efeito desse fogo invisível, que se esforça para purificar o sistema e purificá-lo de uma condição que criamos ao desrespeitar as leis da natureza.

Agora, sobre os pensamentos de Cura. O mesmo poder que está tentando lentamente purgar o corpo pode ser grandemente amplificado por meio de uma concentração adequada (e é isso que a oração realmente é), desde que tenhamos as condições adequadas.

Para ilustrar quais são essas condições, vamos tomar o tromba d'água como exemplo. Talvez você não tenha presenciado esse fenômeno da natureza, mas é algo maravilhoso e inspirador. Geralmente, no momento em que ocorre, o céu parece estar muito baixo sobre a água; há uma sensação tensa de depressão ou concentração no ar, e gradualmente parece que um ponto no céu desce em direção à água, e as ondas em um determinado local parecem saltar para cima, até que céu e água se encontram em uma massa turbilhonante.

Algo semelhante acontece quando uma pessoa, ou um grupo de pessoas, está em uma oração sincera. Todas as forças da natureza que realizam nosso trabalho aqui estão operando apenas no éter – eletricidade, a força expansiva do vapor, etc., todas são etéreas – mas existem forças no universo muito mais potentes e sutis, entre elas a força do pensamento. Quando uma pessoa está intensamente dedicada a suplicar a um Poder Superior, sua aura parece se formar em uma estrutura semelhante a um funil, que se assemelha à parte inferior do tromba d'água. Isso sobe no espaço a uma grande distância e, estando sintonizado com a vibração do Cristo do Mundo Interplanetário do Espírito da Vida, atrai de lá um poder divino que entra na pessoa, ou no grupo de pessoas, e dá alma à forma-pensamento que eles criaram. Assim, o objetivo para o qual eles se uniram será alcançado.

Mas é preciso ter isso bem claro em mente: o processo de orar ou concentrar não é apenas um processo intelectual frio. Deve haver uma quantidade de sentimento adequada para alcançar o objetivo desejado, assim como uma certa quantidade de água é necessária para apagar o fogo, e se essa intensidade de sentimento não estiver presente, o objetivo não será alcançado, assim como um pequeno fluxo de água não apagará um grande incêndio.

Esse é o segredo de todas as orações miraculosas que já foram registradas. A pessoa que orou por algo sempre estava intensamente empenhada, todo o seu ser se envolvia no desejo por aquilo que ela queria, elevando-se assim aos reinos divinos e trazendo a resposta do Pai. No ano passado, tivemos um caso desse tipo aqui na sede. Um dos trabalhadores havia se machucado em um acidente de automóvel e sofreu uma concussão cerebral. Naquela noite, todos nos unimos em silenciosa súplica ao nosso Pai Celestial, aqui mesmo nesta Pro-Ecclesia, para que ela fosse curada e ajudada. O escritor percebeu distintamente a intensidade do sentimento e como isso deu origem àquela parte inferior em forma de funil do canal, que trouxe a resposta divina, e naquela noite a consciência retornou, algo que é mais do que incomum nos anais de tais casos.

Também observamos que em certas comunidades sagradas, como, por exemplo, “a távola redonda do Rei Arthur”, ou em um círculo de espiritualistas, uma condição semelhante é criada. Os participantes do círculo se sintonizam com uma vibração comum através do canto de determinadas canções. E, tendo se unido dessa forma, eles formam um único funil áurico que traz tudo o que desejam, de acordo com a intensidade de seus desejos e sua concentração.

Essa vibração espiritual é tão poderosa que às vezes pode ser transmitida e permanecer ao redor de objetos aparentemente inanimados. Por exemplo, muitas pessoas têm percebido e até mesmo sido envolvidas pelas poderosas vibrações no órgão aqui. Você vai notar que há uma cópia da pintura “Cristo” de Hoffman sobre o órgão. Não há dúvida na mente do palestrante de que, quando Hoffman pintou essa imagem, ele sentiu intensamente a posição e o sentimento de Cristo no Getsêmani; portanto, essa imagem carrega uma representação desse mesmo canal áurico. Isso não aconteceria ou seria reproduzido em uma cópia impressa da imagem, mas a pintura aqui na Pro-Ecclesia, feita por um de nossos membros que se conectou com o sentimento do artista original e possuía uma compreensão do segredo do sofrimento de Cristo naquela hora solitária, também trouxe esse mesmo canal para sua pintura, e, portanto, as vibrações são sentidas emanando dela.

Tudo isso nos ensina que essa força está disponível e pode ser usada cientificamente com um efeito muito maior do que se a usarmos de maneira aleatória, desejando vagamente isso, aquilo ou aquilo outro. Mas há um grande perigo também de usarmos de forma errada esse poder maravilhoso; portanto, devemos sempre qualificar nossas súplicas em favor dos outros com as palavras de Cristo: Não seja feita a minha vontade, mas a tua.” Caso contrário, corremos o risco de causar danos onde pretendíamos ajudar. Você provavelmente percebeu que eu disse “nossas súplicas em favor dos outros”. Deixe essa ideia afundar profundamente em nossas mentes: nunca devemos pedir nada para nós mesmos. Isso é supérfluo; Cristo nos assegurou que se “buscarmos primeiro o Reino de Deus e a sua justiça, todas as outras coisas nos serão acrescentadas”. Temos também a promessa na Bíblia: “O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.” E muitos anos de experiência demonstraram ao palestrante que isso é um fato concreto: se trabalharmos com a lei, pelos outros, então a lei cuidará de nós, pois somos trabalhadores com ela.

A grande razão pela qual as orações não estão sendo ouvidas hoje é que os suplicantes estão sempre pedindo algo para si mesmos, contrário ao bem comum. Se estivermos preocupados apenas conosco e sempre tentando obter o melhor para nós mesmos, independentemente dos outros, então não é necessário que Nosso Pai Celestial cuide de nós. Mas no momento em que nos colocamos em Suas mãos e pensamos em como podemos realizar a Sua obra, como podemos cumprir a Sua vontade na Terra, assim como é feito no Céu, então nos tornamos co-trabalhadores Dele, trabalhadores em Seu vinhedo. A partir desse momento, cabe a Ele cuidar de nós, e podemos descansar plenamente confiantes de que tudo o que for necessário para o nosso conforto material ou espiritual será concedido, nem medido com parcimônia ou mesquinhez, mas receberemos a medida completa, pressionada para baixo e transbordante.

Com esses pensamentos, agora entraremos no silêncio e, durante dez minutos, concentraremos nossas mentes no objetivo para o qual nos reunimos – ajudar e curar nossos semelhantes que estão sofrendo, especialmente aqueles que procuraram a sede em busca de auxílio em sua angústia.

E que as Rosas Floresçam em Vossa Cruz. 

Compartilhe e ajude a chegar mais longe

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Search

Materiais de apoio