Search
Close this search box.

Devocional

Rituais e Orações

Search

Sobre a Prática dos Rituais

Querido irmão, antes de praticar os Rituais, os leia com total atenção. Examine cada uma das frases e procure perceber se de fato expressam algum benefício para seu desenvolvimento espiritual.
Encontre a real intenção, em seu coração, para essa prática em sua vida. Confie em DEUS quando orar, sem o que jamais poderá ser atendido em suas petições. Uma vez convencido de que estes piedosos exercícios podem ser-lhe úteis, é fundamental observar alguns conselhos para a sua prática:

  • Se possível, tenha um lugar apropriado para as práticas espirituais;
  • Reserve um momento do seu dia para a prática espiritual;
  • Tenha um quadro ou imagem (de qualquer tamanho) de Cristo-Jesus ou do Símbolo Rosacruz;
  • A força espiritual percorre de leste para o oeste. Durante a prática, é preferível estar voltado para o oeste com a imagem a sua frente;
  • Antes iniciar a sua prática espiritual, prepara a tua alma; encontre a sua real intenção para realizar suas preces; levanta teu espírito a Deus e pede-lhe luzes;
  • Os desejos e as emoções mais elevados do Corpo de Desejos formam a Alma Emocional. Quando orar, procure formar e empregar os melhores impulsos do seu coração, conforme o assunto;
  • Ore, não apressada, mas atentamente, e com alguma pausa entre as frases. Seria útil reler a miúdo os trechos que mais te impressionarem;
  • Encerra a leitura com breve aspiração a Deus, pedindo-lhe que conserve e fecunde a semente lançada em tua alma, para produzir fruto centuplicado.

 

O lugar da oração para a prática de Rituais é de vital importância, por uma razão que a maioria das pessoas desconhece, até mesmo entre os Estudantes Rosacruzes. Ei-la: cada oração, seja falada ou meditada, cada canto de louvor ou de rogo e cada leitura sentida das passagens dos Evangelhos, quando são feitas por uma pessoa cuidadosamente preparada, que ame e viva o que lê, derramam sobre os presentes e sobre o lugar da oração a graça do espírito.

Desse modo, com o tempo se constrói, ao redor e dentro do edifício físico, um templo invisível que, no caso de uma fraternidade como a nossa, constituída de pessoas idealistas, esclarecidas e de nobres sentimentos, aparece aos olhos clarividentes com uma transcendental beleza de colorido e de formas, além de tudo o que podemos imaginar e que desafia toda a descrição.

Tanto a devoção aos elevados ideais, como também o cultivo de sentimentos elevados, restringem os instintos animais e desenvolvem a Alma Emocional. A parte mais sutil do Corpo de Desejos é a Alma Emocional. Essa Alma será assimilada no futuro, pelo veículo Espírito Humano. Sabemos que essa parte mais sutil é capaz de separação na maioria das pessoas. Assim, por meio da concentração e do emprego de fórmula apropriada, essas partes mais sutis dos veículos podem isolar-se para serem empregadas durante o sono ou em qualquer outra hora, deixando as partes inferiores dos Corpos Vital e de Desejos encarregadas dos processos de restauração do veículo denso.

Quanto mais desenvolvida for a Alma Emocional, mais capacitado estará para ver a essência das coisas e também para servir nos planos internos.

Nossas orações e pedidos de ajuda aos que necessitam devem ser seguidas de uma vida de amor ao próximo, evitando-se as críticas desairosas, os maus pensamentos e desarmonia. É preciso fazer sacrifício, ser tolerante e leal, e estar sempre pronto para perdoar tudo o que nos façam de mal.

Os princípios que nos levam a Deus, Cristo-Jesus os enumerou quando, ensinando aos seus Discípulos, disse que o maior dos Mandamentos será sempre: AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AO PRÓXIMO COMO A NÓS MESMOS. Este é o Grande Mandamento ao qual naturalmente conduz ao segundo Mandamento de Cristo: CURAR OS ENFERMOS.

Sede Central do Brasil – Maio de 2023.

Ritual do Serviço de Cura

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço Devocional

1.O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura e, após, o Hino Astrológico do mês.

2. O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina e auxilia na leitura.

3. Em seguida lê em voz alta e suave

O SERVIÇO DE CURA

4. O Oficiante fixa o olhar no Símbolo e fala a saudação Rosacruz:

“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

5. Todos respondem: “E na vossa também”

6. Todos se sentam, menos o Oficiante

7. Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:

Aqui nos reunimos, semanalmente, com o propósito de dar cumprimento ao segundo mandamento de Cristo: curar os enfermos. Um só carvão não produz fogo, mas, quando se juntam vários carvões, o calor latente em cada um deles pode converter-se em chama, irradiando luz e calor. De acordo com esta mesma Lei da Natureza, neste momento, unimos nossas aspirações espirituais, esforçando-nos por gerar pensamentos de auxílio e de cura e concentrá-los em uma única direção: os Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz, para que os utilizem no seu benéfico Serviço em prol da humanidade.

Se desejamos ser verdadeiros auxiliares no trabalho iniciado pelos Irmãos Maiores devemos converter nossos Corpos em instrumentos adequados e purificá-los por meio de uma vida pura, pois num vaso sujo não pode haver água pura e saudável, nem pode uma lente manchada dar uma imagem nítida. Também, não é possível irradiarmos uma força curadora pura e forte, se não mantivermos limpos e puros os nossos Corpos e as nossas Mentes.

É um privilégio estarmos aqui no meio de todos estes pensamentos de amor e de prece, e oferecermo-nos como canais, para receber e libertar a força curadora que provém diretamente do Pai. Mas antes que essa força possa ser transmitida deverá ser gerada; e para fazê-lo devemos conhecer o método mais adequado. Não é suficiente sabermos de modo vago que existem no mundo a doença e o sofrimento, nem que façamos uma ideia, também vaga, de auxílio para aliviar esse sofrimento, seja ele físico ou mental. Devemos fazer algo definido para atingir nosso objetivo. A enfermidade, bem o sabemos, é realmente um fogo, o invisível fogo que é o Pai tentando dissolver as cristalizações que acumulamos em nossos corpos.

Reconhecemos a febre como sendo um fogo, mas os tumores, como o câncer e outras doenças, são, também em realidade, o efeito desse fogo invisível, que tenta purificar o organismo e libertá-lo das condições que criamos ao transgredir as Leis da Natureza.

Este mesmo poder que está procurando, lentamente, purificar o Corpo pode ser aumentado, em alto grau, pela concentração adequada, o que é realmente uma prece, desde que tenhamos as condições apropriadas.

Para ilustrar essas condições tomaremos como exemplo a tromba marinha. Talvez nenhum de nós tenha presenciado este fenômeno da natureza, que, embora maravilhoso, inspira pavor. Em geral, quando ele ocorre o céu parece aproximar-se da água; há no ar um tenso estado de concentração. Gradualmente, um ponto do céu desce até à superfície das águas e as ondas, em certa extensão, parecem saltar para cima, até que ambos, céu e mar, unem-se formando um redemoinho de voragem vertiginosa.

Algo semelhante ocorre quando uma pessoa, ou um grupo de pessoas, está em prece fervorosa. Se alguém se absorve numa intensa súplica a um poder superior, sua aura parece afunilar-se em forma muito semelhante à parte inferior da tromba marinha. Essa forma eleva-se no espaço a grande distância, e sintonizando-se com as vibrações do Cristo, do Mundo Interplanetário do Espírito de Vida, atrai para si uma Força Divina que penetra na pessoa ou no grupo de pessoas, e vivifica o pensamento-forma que elas criaram. Desse modo, o fim pelo qual se reuniram será atingido.

Mas gravemos bem em nossas Mentes que esse processo de orar ou de concentrar não é um frio processo intelectual. É PRECISO HAVER UM GRAU ADEQUADO DE SENTIMENTO PARA ATINGIR O FIM DESEJADO, POIS, SE NÃO ESTIVER PRESENTE ESTA INTENSIDADE DE SENTIMENTO, O OBJETIVO NÃO SERÁ ALCANÇADO. Este é o segredo de todas as preces milagrosas que a história registra: a pessoa que orava, fazia-o sempre com INTENSO FERVOR; todo o seu ser se submergia no desejo de obter aquilo porque orava e, dessa forma, elevava-se aos reinos divinos, trazendo de volta a resposta do Pai.

Concentremo-nos, agora, sobre o Símbolo Rosacruz que temos em frente: a rosa branca e pura é o símbolo do coração do Auxiliar Invisível; as rosas vermelhas representam seu purificado sangue; a cruz branca lembra-nos seu Corpo; e a estrela dourada simboliza o Dourado Manto Nupcial, tecido através de uma vida pura.

Libertemos a Força Curadora por nossas preces ao Pai, o Grande Médico, a fim de socorrer a todos aqueles que nos solicitaram ajuda e também aos outros que não puderam fazê-lo. Ponhamos toda a intensidade possível de sentimento nesta prece, para que possamos, realmente, formar um canal que trará até nós a Divina Força do Pai. Todavia, há um grande perigo se fizermos mau uso desse maravilhoso poder; portanto, façamos sempre nossas súplicas em favor dos outros acrescentando estas palavras de Cristo: “Pai, faça-se a Tua Vontade e não a minha”.

Concentremo-nos, agora, por alguns minutos, sobre a Cura.

8. Em torno de 5 minutos

9. Terminada a Concentração o Oficiante cobre o Símbolo Rosacruz, acende as luzes

10. O Oficiante convida todos a se levantarem e a cantarem a última estrofe e o refrão do Hino Rosacruz de Encerramento:

Deus te guarde até retornar;

faze a vida virtuosa;

no ideal da Cruz de Rosas,

até quando a voltes a saudar.

Até outro dia, até outro dia;

para a Cruz de Rosas saudar.

Até outro dia, até outro dia

Deus te guarde até retornar.

11. O Oficiante profere a seguinte admoestação de saída:

Agora deixemos a força curadora libertada, com Cristo, os Irmãos Maiores e os Auxiliares Invisíveis, para que a utilizem onde mais se fizer necessária.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

12. Apaga-se a luz do Templo.

(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual do Serviço do Templo

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço Devocional

1.O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura e, após, o Hino Astrológico do mês.

2. O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina e auxilia na leitura.

3. Em seguida lê em voz alta e suave

O SERVIÇO DO TEMPLO

Queridos irmãos e irmãs:

Mais uma vez nos retiramos do mundo material para entrar no Templo Vivo de nossa natureza interna, em união espiritual. Como símbolo desta retirada do mundo visível, escurecemos o nosso local de reunião.

Estamos procurando a Luz Espiritual por meio dos Ensinamentos Rosacruzes; portanto, fixemos reverentemente o Símbolo da Cruz e das Rosas, enquanto ouvimos a saudação Rosacruz:

4. O Oficiante fixa o olhar no Símbolo e fala a saudação Rosacruz:

“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

5. Todos respondem: “E na vossa também”

6. Todos se sentam, menos o Oficiante

7. Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:

Um só carvão não produz fogo, mas quando se juntam vários carvões, o calor latente em cada um deles pode converter-se em chama, irradiando luz e calor. De acordo com esta mesma Lei da Natureza, aqui estamos reunidos, irmanados pelas nossas aspirações espirituais para podermos acender e manter viva a chama da verdadeira Comunhão Espiritual, que é o bálsamo de Gileade, a única panaceia para os males do mundo.

A Bíblia foi dada ao Mundo Ocidental pelos Anjos do Destino que, estando acima de todos os erros, dão a cada um e a todos exatamente o que necessitam para o seu desenvolvimento. Por conseguinte, se procurarmos a Luz, encontrá-la-emos na Bíblia.

Leiamos alguns parágrafos da primeira Epístola de João e também das Cartas de Paulo aos Coríntios e Filipenses, cujo tema é a fraternidade.

“Deus é Luz. Se andamos na luz, como Ele na luz está, seremos fraternais uns com os outros. Aquele que ama a seu Irmão está na luz, mas aquele que odeia a seu irmão está em trevas e não sabe por onde caminha, porque as trevas lhe cegaram os olhos.

Não amemos de PALAVRA, nem de LÍNGUA, mas por OBRAS e em VERDADE, pois, ainda que eu fale as línguas dos homens e dos Anjos, se não tiver AMOR, serei como o metal que soa, ou como o sino que tine. Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência; ainda que eu tenha tamanha fé, a ponto de remover montanhas, se não tiver AMOR nada serei. E ainda que eu distribua todos os meus bens entre os pobres, e ainda que entregue o meu corpo para ser queimado, se não tiver AMOR nada disso me aproveitará. O amor é paciente, é benigno; o amor não é invejoso, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não busca os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a Verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.

O amor nunca falha, mas se houver profecias, falharão; se houver ciência, desaparecerá; porque em parte conhecemos e em parte profetizamos. Quando, porém, vier o que é perfeito, então o que é em parte será aniquilado.

Porque agora vemos como por espelho, obscuramente, então veremos face a face. Agora conhecemos em parte, então conheceremos como também somos conhecidos. Agora pois, permanecem a Fé, a Esperança e o Amor, porém, a maior destas virtudes é o Amor.

Se nos amamos uns aos outros, Deus está em nós e em nós é perfeito o seu Amor. Deus é Amor; e quem vive em Amor está em Deus e Deus nele; mas se alguém diz: ‘Eu Amo a Deus’, e odeia a seu irmão é mentiroso, pois quem não ama a seu irmão a quem vê como pode amar a Deus, a quem não vê? Nós temos d’Ele este mandamento: quem ama a Deus, ame, também, a seu irmão.

Portanto, se há alguma consolação em Cristo, se algum conforto no amor, se alguma Comunhão Espiritual não atente cada um para o que é propriamente seu, mas também para o que é dos outros. Haja, pois, em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo-Jesus, O qual, tendo a natureza de Deus, não julgou que fosse uma usurpação ser igual a Deus; no entanto aniquilou-se a Si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-Se semelhante ao homem.

E achando-se na condição de homem, humilhou-se a Si mesmo, tornando-se obediente até à morte, e morte na Cruz. Pelo que também, Deus O exaltou soberanamente e Lhe deu um nome que está acima de todo o nome, para que ao nome de Cristo-Jesus se dobre todo o joelho, e toda a língua confesse que Cristo-Jesus é o Senhor para a glória de Deus Pai”.

Queridos irmãos e irmãs:

Esforcemo-nos por seguir o exemplo de Cristo e viver a definição que Ele deu de GRANDEZA, isto é: “Aquele que quiser ser o maior entre vós, seja o SERVO de todos”.

O SERVIÇO amoroso e desinteressado para com os outros é o caminho mais curto, mais seguro e o mais agradável que nos conduz a Deus. O reconhecimento da unidade fundamental de cada um de nós com todos, a Comunhão Espiritual, é a realização de Deus. Para atingirmos essa realização esforcemo-nos por esquecer, diariamente, os defeitos dos nossos irmãos e procuremos servir a divina essência neles oculta, o que constitui a base da Fraternidade.

Entremos, agora, em silêncio e, por alguns instantes, concentremo-nos sobre o SERVIÇO.

8. Em torno de 5 minutos

9. Terminada a Concentração, o Oficiante lê a Oração Rosacruz:

ORAÇÃO ROSACRUZ

Não Te pedimos mais luz, ó Deus, senão olhos para ver a luz que já existe;

não Te pedimos canções mais doces, senão ouvidos para ouvir as presentes melodias;

não Te pedimos mais força, senão o modo de usar o poder que já possuímos;

não mais Amor, senão habilidade para transformar a cólera em ternura;

não mais alegria, senão como sentir mais próxima essa inefável presença, para dar aos outros tudo o que já temos de entusiasmo e de coragem;

não Te pedimos mais dons, amado Deus, mas apenas senso para perceber e melhor usar os dons preciosos que já recebemos de Ti.

Faze que dominemos todos os temores;

que conheçamos todas as santas alegrias;

para que sejamos os Amigos que desejamos ser;

para transmitir a Verdade que conhecemos;

para que amemos a pureza;

para que busquemos o Bem.

E, com todo o nosso poder, possamos elevar todas as Almas, a fim de que vivam em harmonia e na luz de uma perfeita Liberdade.

10. O Oficiante cobre o Símbolo; acende as luzes e convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Encerramento.

11. Oficiante profere a seguinte admoestação de saída:

E agora, queridos irmãos e irmãs, que vamos partir de volta ao mundo material levemos a firme resolução de expressar, em nossas vidas diárias, os elevados ideais de espiritualidade que aqui recebemos, para que, dia a dia, nos tornemos melhores homens e mulheres e mais dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, a serviço da humanidade.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

12. Apaga-se a luz do Templo

(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual do Equinócio de Março

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço do Equinócio de Março
O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, ou todo o Hino Rosacruz de Abertura ou somente a terceira estrofe do Hino Rosacruz de Abertura.
O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina o Símbolo e a que auxilia na leitura.
Em seguida, fixa o olhar no Símbolo Rosacruz e fala a saudação Rosacruz:
“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

4. Todos respondem: “E na vossa também.”

5. Todos se sentam, menos o Oficiante.

6. Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:

Mais uma vez estamos no tempo da Páscoa. Mais uma vez atingimos o ato final do drama cósmico que envolve a descida do Raio do Cristo sobre a matéria da nossa Terra: o Nascimento Místico celebrado pelo Natal, a Morte Mística e a Libertação. O impulso de vida do Cristo Cósmico que penetrou na Terra da última vez teve o seu Nascimento Místico por ocasião do Natal, cumpriu a sua maravilhosa magia de fecundação, durante os meses decorridos entre o Natal e a atual Páscoa e está, agora, se libertando da Cruz da matéria para ascender novamente ao Trono do Pai, deixando a Terra revestida de vida para ser usada nas atividades físicas dos próximos meses. O Raio espiritual, emanado anualmente do Cristo Cósmico para revitalizar a vitalidade latente da Terra, está subindo ao Trono do Pai. Nessa parte do ano, uma vida nova, uma energia aumentada circula, com força irresistível, pelas veias e artérias de todas as coisas vivas inspirando-as, dando-lhes nova esperança, nova ambição e nova vida, impelindo-as a novas atividades por meio das quais aprenderão novas lições na escola da experiência. Estando os beneficiados conscientes ou inconscientes disso, essa energia superabundante revigora tudo aquilo que tem vida. Até as plantas a ela respondem com uma maior circulação da seiva, o que resulta em um crescimento adicional das folhas, das flores e dos frutos, por cujo intermédio essa onda de vida, presentemente, se manifesta e evolui para um estado de consciência superior.

Maravilhosas como essas manifestações físicas exteriores são e, ainda gloriosas que essas transformações possam parecer, já que convertem a Terra de um ambiente árido em um maravilhoso jardim florido, isso tudo é ofuscado pelas atividades espirituais que as acompanham. As passagens predominantes do drama cósmico são idênticas, no que diz respeito ao tempo, aos efeitos materiais do Sol nos quatro Signos Cardeais – Áries, Câncer, Libra e Capricórnio – pois os acontecimentos mais significativos ocorrem nos pontos equinociais e de solsticiais.

É realmente verdade que “em Deus vivemos, nos movemos e temos o nosso ser”. Fora d’Ele não pode haver existência alguma; vivemos em virtude de Sua vida; nos movemos e agimos por e através da Sua força; é o Seu poder que sustenta a nossa morada, a Terra, e sem os Seus esforços incansáveis e inabaláveis, o universo por si só se desintegraria. Aprendemos que o ser humano foi feito à semelhança de Deus e devemos compreender que, de acordo com a Lei de Analogia, temos certos poderes latentes dentro de nós, que são semelhantes àqueles que vemos tão poderosamente manifestados no trabalho da Divindade no universo. Isso nos faz ter um interesse particular no drama cósmico anual que envolve a morte e a ressurreição do Sol. A vida de Deus-Homem, Cristo Jesus, foi traçada em conformidade com a história solar e prefigura, de modo idêntico, tudo o que poderá suceder ao Homem-Deus de quem esse mesmo Cristo Jesus profetizou, quando disse: “As coisas que eu faço vós também as fareis, e maiores ainda; mas para onde eu vou, vós não podeis seguir-me ainda, porém seguir-me-eis mais tarde”.

A natureza é uma expressão simbólica de Deus. Ela nada faz em vão ou injustificadamente. Há um propósito por trás de tudo e de cada ato. Por isso deveríamos estar alertas e observar, cuidadosamente, os sinais nos céus, pois eles têm um significado profundo e importante no que diz respeito às nossas próprias vidas. A compreensão inteligente do seu propósito nos habilita a cooperar muito mais eficientemente com Deus nos Seus maravilhosos esforços para a emancipação da nossa raça humana do jugo das Leis da Natureza e para a nossa plena libertação, até atingirmos a estatura dos Filhos de Deus, coroados com a glória, as honras e a imortalidade e livres do poder do pecado, da doença e do sofrimento que, agora, encurtam nossas vidas devido à nossa ignorância e a nossa recusa em não se conformar com as Leis de Deus. O propósito divino visa essa emancipação, mas quer ele seja cumprido por meio do longo e tedioso processo da evolução, quer pelo caminho imensamente mais rápido da Iniciação, depende de nós se querermos ou não prestar a nossa cooperação.

Durante os últimos seis meses temos sido, progressivamente, impregnados com as vibrações espirituais que predomina em dezembro. Em setembro, essas vibrações espirituais começam a vir para nós como um novo impulso para a vida superior; esse impulso culminou na Noite Santa do Natal e tem produzido a sua magia nas nossas naturezas de acordo com a maneira pela qual aproveitamos as nossas oportunidades. De acordo com a nossa diligência ou o nosso descuido nesse período que passou, o nosso progresso será acelerado ou retardado no próximo, pois não há palavra mais verdadeira do que aquela que nos ensina que somos exatamente o resultado das nossas próprias ações. O serviço que prestamos ou o serviço que não prestamos determina se uma nova oportunidade para um maior serviço nos dará ou não um impulso adicional para os céus; e não será demais repetirmos que será inútil esperarmos a libertação da cruz da matéria, enquanto não tivermos aproveitado todas as nossas oportunidades aqui, e só depois disso receberemos, como retorno desse esforço, uma esfera de serviço mais ampla. Os “cravos” que pregaram o Cristo na Cruz do Calvário terão que traspassar a vocês e a mim, até que o impulso dinâmico do amor flua de nós em ondas que vão aumentando ritmicamente, como a maré de amor que anualmente penetra na Terra e a envolve com vida renovada.

Durante os três meses que passaram o Cristo sofreu as agonias da tortura, “gemendo, trabalhando dolorosamente e esperando pelo dia da libertação” que chega na ocasião em que as Igrejas ortodoxas chama da Semana da Paixão. Mas, nós sabemos que de acordo com os ensinamentos místicos essa semana é exatamente a culminação ou o ponto máximo do Seu sofrimento e que Ele, então, sairá da Sua prisão; que quando o Sol cruza o equador, Ele pende da Cruz e exclama: “Consummatum Est” – Está cumprido! Isso não é um grito de agonia. É um grito de triunfo, um brado de alegria, porque chegou a hora da libertação e, porque, mais uma vez, Ele pode se elevar, durante algum tempo, livre dos grilhões cristalizantes do nosso Planeta.

Deveríamos nos regozijar com Ele nesta hora grandiosa, gloriosa e triunfal; a hora da libertação, quando Ele exclama: “Está cumprido!”. Sintonizemos nossos corações com esse grande acontecimento cósmico; regozijemo-nos com o Cristo, nosso Salvador, porque, mais uma vez, o período do Seu Sacrifício anual foi completado; e sintamos gratidão, do mais profundo dos nossos corações, porque Ele está prestes a Se libertar dos grilhões da Terra; porque a vida que Ele agora espalhou pelo nosso Planeta é suficiente para nos conduzir até ao próximo Natal.

A vida é uma escola e por meio da aprendizagem de suas muitas lições a humanidade está, lentamente, evoluindo desde uma centelha divina até à Divindade. Se nós tivéssemos aprendido as lições da vida tal como nos foram dadas, não haveria a necessidade do grande sacrifício que foi feito pelo Espírito do Cristo, que é a encarnação do Amor, cujo sacrifício se repete anualmente. Pelo egoísmo, pela desobediência à Lei e pelas práticas do mal, rapidamente, cristalizamos não somente os nossos próprios Corpos, mas, também, a Terra em que vivemos, e o fizemos a tal ponto que ambos estavam se tornando inúteis como meios para a evolução. Quando nada mais nos poderia salvar dos resultados dos nossos próprios erros, o compassivo Cristo Se ofereceu e, também, ofereceu o Seu grande poder de amor para dissolver as condições cristalizadas dos corpos do ser humano e da Terra; e Ele não abandona a Terra por ocasião da Páscoa, enquanto Ele não deu tudo de Si mesmo.

Para aqueles que escolheram trabalhar consciente e inteligentemente com a Lei Cósmica, a Páscoa tem uma grande significância. Para estes, significa a libertação anual do Espírito de Cristo do constrangedor confinamento na Terra e Sua feliz ascensão ao Seu verdadeiro mundo, ao Seu verdadeiro lar, para lá permanecer por algum tempo, descansando no seio do Pai. A Páscoa representa para o Aspirante, também, o sinal anual que lhe é dado sobre as bases cósmicas das suas esperanças e aspirações. E se os olhos estiverem verdadeiramente abertos se verão hostes angélicas esperando, prontas para acompanhar o Cristo em Sua jornada celeste; se os ouvidos estiverem sintonizados com os sons celestiais, se ouvirão coros celestiais cantando Seus louvores em alegres hosanas ao Senhor Ressurgido. Quando considerada como um fato cósmico em conexão com a Lei de Analogia, que une o macrocosmo com o microcosmo, a Páscoa simboliza que, algum dia, todos nós alcançaremos a consciência cósmica e saberemos, positivamente e por nós mesmos, por nossa própria experiência, que a morte não existe, mas que o que assim parece é apenas uma transição para esferas superiores.

A Páscoa é um símbolo anual para fortalecer nossas almas nas obras do bem, para que possamos tecer o Dourado Manto Nupcial, necessário para nos tornarmos Filhos de Deus, no mais elevado e no mais santo sentido. É literalmente verdadeiro que a menos que andemos na Luz, como Deus está na Luz, não teremos Fraternidade; mas fazendo os sacrifícios e prestando os serviços que são necessários para que nós ajudemos a emancipação da nossa raça humana, construiremos o Corpo-Alma de radiante luz dourada, que é a substância especial emanada do e pelo Espírito do Sol, o Cristo Cósmico. Quando essa substância dourada nos tiver revestido com uma densidade suficiente, estaremos prontos para imitar o Sol da Páscoa e ascender para esferas mais elevadas.

Com esses ideais firmemente fixados em nossa Mente, o tempo da Páscoa se torna uma ocasião em que devemos revisar a nossa vida durante o ano precedente e tomarmos novas resoluções que, no próximo ano, sirvam para aumentar o nosso crescimento anímico. É a ocasião em que o símbolo do Sol ascendente nos deveria conduzir para uma perfeita realização do fato que somos apenas peregrinos e estranhos sobre a Terra; que, como Espíritos, o nosso lar real está no céu, e que devemos nos esforçar para aprender as lições nessa escola da vida, tão rapidamente quanto seja consistente com o serviço que devemos prestar. O Dia da Páscoa assinala a ressurreição e a libertação do Espírito de Cristo das vibrações inferiores da Terra, e essa libertação deveria nos fazer lembrar de esperarmos, constantemente, a alvorada do novo dia que nos libertará permanentemente das redes da matéria, do corpo de pecado e da morte, juntamente com todos os nossos irmãos do cativeiro. Nenhum Aspirante verdadeiro poderia conceber uma libertação que não incluísse a todos que estão na mesma situação.

Essa é uma tarefa gigantesca, cuja contemplação poderá desencorajar muito o mais valente coração e, se estivéssemos sós, ela não poderia ser realizada; as Hierarquias Divinas, que tem conduzido a humanidade no caminho da evolução, desde o início da nossa peregrinação, ainda estão ativas e trabalhando conosco a partir dos Seus próprios Mundos e, com o Seus auxílios estaremos, finalmente, habilitados para sermos capazes de cumprir essa elevação da humanidade, como um todo, e atingir uma realização individual de glória, honra e imortalidade. Tendo essa grande esperança dentro de nós, essa grande missão para cumprir no mundo, vamos trabalhar como jamais trabalhamos antes para nos tornarmos melhores homens e mulheres, de modo que possamos, com o nosso exemplo, despertar nos outros um desejo que conduza à uma vida que trará a libertação.

Concentremo-nos agora sobre Amor Divino e Serviço.

7. O período de concentração deve se prolongar por uns 5 minutos

8. Terminada a Concentração, o Oficiante cobre o Símbolo Rosacruz e acende as luzes

9. O Oficiante convida todos a se levantarem e a cantarem o Hino Rosacruz de Encerramento

10. O Oficiante profere a seguinte exortação de despedida:

“E agora, queridos irmãos e irmãs, que vamos partir de volta ao mundo material levemos a firme resolução de expressar, em nossas vidas diárias, os elevados ideais de espiritualidade que aqui recebemos, para que dia a dia nos tornemos melhores homens e mulheres, e mais dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, à Serviço da Humanidade”.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

11. Apaga-se a luz do Templo

(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual do Equinócio de Setembro

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço do Equinócio de Setembro

O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, ou todo o Hino Rosacruz de Abertura ou somente a terceira estrofe do Hino Rosacruz de Abertura.
O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina o Símbolo e a que auxilia na leitura.
Em seguida, fixa o olhar no Símbolo Rosacruz e fala a saudação Rosacruz:
“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

4. Todos respondem: “E na vossa também.”

5. Todos se sentam, menos o Oficiante.

6. Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:

“Deus É Luz”

Todas as vezes que nós nos absorvemos profundamente nessas três palavras, nos banhamos numa fonte espiritual inesgotável; e a cada vez que repetimos ressoa em nós mais completamente a profundidade divina e nos aproximamos mais do nosso Pai, que está nos Céus.

Para entrarmos em contato mais próximo com esse assunto, agora que a Luz de Cristo está começando a permear à Terra, vamos retroceder no tempo, para nos orientar e fornecer a direção da nossa futura linha de progresso.

A primeira vez que a nossa consciência foi dirigida para a Luz foi imediatamente depois de nós nos tornarmos dotados da Mente e entrarmos, definitivamente, na nossa evolução como seres humanos, na Atlântida, a terra da névoa, no fundo das depressões da Terra, onde a névoa quente emitida do resfriamento da Terra pairava como uma densa névoa sobre a sua superfície. Nessa situação as alturas estreladas do universo nunca eram vistas, nem poderia a luz prateada da Lua penetrar na densa e enevoada atmosfera que pairava sobre aquela antiga terra. Mesmo o ígneo esplendor do Sol estava quase totalmente extinto, pois quando vemos na Memória da Natureza os fatos relativos àquele tempo, verificamos que a atmosfera da Terra era excessivamente opaca, tendo uma aura de várias cores, muito semelhante àquela que podemos observar em torno do foco luminoso das lâmpadas incandescentes, quando há neblina.

Mas essa luz tinha um fascínio. Os antigos Atlantes foram ensinados, pelas Hierarquias Divinas que viviam entre eles, a aspirar pela luz e, como a luz espiritual estava, então, em declínio, eles aspiravam ainda mais ardentemente pela nova luz, pois temiam a escuridão da qual se tornaram conscientes quando adquiriram a Mente.

Então, chegou o inevitável dilúvio, quando a névoa se esfriou e se condensou. A atmosfera clareou e o “povo escolhido” foi salvo. Aqueles que trabalharam dentro de si mesmos e aprenderam a construir os órgãos necessários, requeridos para respirar numa atmosfera como a que possuímos hoje, sobreviveram e vieram para a luz. Essa escolha não foi arbitrária; o trabalho do passado consistiu na construção do corpo. Aqueles que apenas possuíam fendas parecidas com brânquias, semelhantes às que o embrião humano ainda utiliza no seu desenvolvimento pré-natal, não estavam fisiologicamente adaptados para entrar na nova era, como o embrião humano não poderia viver, depois de nascido, se negligenciasse em construir os pulmões; morreria, como aquele antigo povo morreu quando a atmosfera mais rarefeita tornou fendas parecidas com brânquias inúteis.

Desde o dia em que emigramos da antiga Atlântida, nossos corpos estão praticamente completo, mas desde aquele tempo e a partir de agora aqueles que quiserem acompanhar a Luz deverão se empenhar pelo crescimento da alma. Os corpos que nós cristalizamos em nós deverão ser dissolvidos, e a quintessência da experiência extraída, que como “alma” pode ser amalgamada com o espírito para promover o seu crescimento da impotência à omnipotência. Assim, o Tabernáculo no Deserto foi proporcionado aos antigos e a Luz de Deus desceu sobre o Altar dos Sacrifícios. Isso é de grande significância: o Ego desceu e entrou no seu tabernáculo, o Corpo Denso. Todos conhecemos a tendência do instinto primitivo para o egoísmo e se estudamos a ética superior, também sabemos quão subversiva do bem é a indulgência para a tendência egotista; dessa forma, imediatamente Deus colocou, diante da humanidade, a Luz Divina sobre o Altar dos Sacrifícios.

Sobre esse Altar os seres humanos foram forçados, pela extrema necessidade, a oferecer suas posses mais queridas por cada transgressão, parecendo-lhes Deus um duro Senhor em cujo descontentamento era perigoso incorrer. Mas a Luz ainda os atraía. Eles sabiam, então, que era inútil tentar escapar das mãos de Deus. Eles jamais tinham ouvido as palavras de São João: “Deus é Luz”, mas já haviam aprendidos dos Céus, em certa medida, o significado do infinito, medido pelo reino da luz, pois ouvimos Davi exclamar: “Para onde ir, longe do Teu sopro? Para onde fugir, longe da Tua presença? … Se tomo as asas da alvorada para habitar nos limites do mar, mesmo lá é Tua mão que me conduz, e Tua mão direita me sustenta…. mesmo a treva não é treva para ti, tanto a noite como o dia iluminam.”[1]

O próximo passo no trabalho de Deus para conosco consistiu em tornar permanente essa condição de estar na Luz, que culminou com o nascimento de Cristo que, como a presença corporal do Pai, continuou tendo em Si mesmo aquela Luz, pois a Luz veio ao mundo para todo aquele que cresse em Cristo não perecesse, mas que tivesse a vida eterna[2]. Ele disse: “Eu sou a Luz do Mundo”[3]. O Altar no Tabernáculo ilustrava o princípio do sacrifício como o meio da regeneração e por isso disse Cristo aos Seus Discípulos: “Ninguém tem maior amor do que esse: o de dar sua vida por seus amigos. Vós sois meus amigos”[4]. A partir daí Ele começou um sacrifício, sacrifício esse que não se consumou nas poucas horas de sofrimento físico sobre uma cruz material, mas que é tão perpétuo como o foram os sacrifícios feitos no Altar no Tabernáculo no Deserto, pois impõe uma descida anual às condições na Terra que deve significar muito a esse grande Espírito.

Isso deve continuar até que um número suficiente de seres humanos tenha evoluído o suficiente para carregar o fardo dessa massa informe densa de escuridão, que chamamos de Terra, e que pende como uma pedra de moinho sobre o pescoço da humanidade constituindo um empecilho para o posterior crescimento espiritual. Essa é a tarefa com que nos defrontamos.

Estamos, agora, na passagem equinocial em que o Sol deixa o hemisfério norte, depois de prover todas as necessidades da vida, para o próximo ano; e a onda espiritual que conduz, em sua crista, a vida que encontrará expressão física no ano que se inicia está, agora, se aproximando da nossa Terra. O meio ano que temos pela frente é a parte santa do ano. Desde a festa da Imaculada Conceição até ao Nascimento Místico do Natal (enquanto essa onda penetra em nossa Terra) e desde o Natal até ao tempo da Páscoa (enquanto a onda está saindo da nossa Terra) uma canção harmoniosa, rítmica e vibrante, tão bem descrita na lenda do Nascimento Místico como uma “Hosana”, cantada por um coro de Anjos, enche a atmosfera planetária e age sobre todos como um impulso para a aspiração espiritual.

Conhecemos a analogia entre o ser humano – que penetra nos seus veículos durante o dia, neles vive e por meio deles trabalha, e que à noite é um Espírito livre, livre dos grilhões do Corpo Denso – e o Espírito de Cristo que habita nossa Terra durante parte do ano. Todos sabemos que esse Corpo é um grilhão, é uma prisão, como somos torturados pelas doenças e pelos sofrimentos, pois não há um de nós que esteja sempre com perfeita saúde, de modo que jamais sinta o látego da dor; pelo menos ninguém que esteja no caminho à vida superior.

O mesmo acontece com o Cristo Cósmico, que dirige Sua atenção para a nossa pequena Terra, focalizando Sua consciência nesse Planeta a fim de que possa ter vida. Ele tem que vivificar essa massa morta (que nós cristalizamos fora do Sol) anualmente; e isso constitui um grilhão, uma obstrução e uma prisão para Ele; assim os nossos corações deveriam ficar voltados para Ele, nesse tempo, em gratidão pelo sacrifício que Ele faz por nossa causa, desde meados de dezembro até meados de março, permeando esse Planeta com a Sua vida para despertá-lo do seu sono, no qual permaneceria se Ele não nascesse no seu interior para vivificá-lo.

Sem essa infusão anual de Vida e Energia Divinas todas as coisas vivas sobre a nossa Terra pereceriam imediatamente e todo o progresso ordenado seria frustrado, pelo menos no que diz respeito à nossa linha atual de desenvolvimento. É a “queda” do Raio Espiritual do Sol, desde 23 de setembro até 21 de dezembro, que causam a retomada das atividades mentais e espirituais desde 21 de dezembro até 21 de março. A mesma força germinadora que ativa a semente na Terra e a prepara para produzir sua espécie em quantidade, também agita a Mente humana e promove as atividades altruístas que tornam o mundo melhor.

Assim é que as poderosas vibrações espirituais da onda Crística, doadora de vida, estão na atmosfera terrestre durante os meses que temos pela frente e podem ser usadas por nós com muito maior proveito se soubermos disso e se redobrarmos nossos esforços, o que não faríamos se desconhecêssemos esse fato. O Cristo ainda está gemendo e sofrendo as dores de parto[5], esperando pelo dia da libertação, pela “manifestação dos Filhos de Deus”[6]; e realmente apressamos esse dia cada vez que comemos e bebemos como alimentos para os nossos veículos superiores simbolizados pelo pão e vinho místicos.

Todas as vezes que nos damos a nós mesmos no serviço aos outros, contribuímos para o brilho de luz interna dos nossos Corpos-Almas que é constituído dos Éteres superiores. Atualmente, é o Éter Crístico que faz flutuar essa nossa esfera, porém, vamos nos lembrar que se desejamos apressar o dia de Sua libertação, devemos desenvolver em número suficiente nossos próprios Corpos-Almas até ao ponto em que eles possam manter a Terra flutuando. Dessa forma, nós poderemos assumir a Sua carga e poupá-Lo da dor da existência física. Que cada um de nós aproveite as vibrações espirituais, com as quais seremos banhados durante os próximos meses, para que o próximo Equinócio de Setembro nos encontre mais próximos do Dia da Libertação.

Agora nos concentremos sobre o Amor Divino e o Serviço.

7. O período de concentração deve se prolongar por uns 5 minutos

8. Terminada a Concentração, o Oficiante cobre o Símbolo Rosacruz e acende as luzes

9. O Oficiante convida todos a se levantarem e a cantarem o Hino Rosacruz de Encerramento

10. O Oficiante profere a seguinte exortação de despedida:

“E agora, queridos irmãos e irmãs, que vamos partir de volta ao mundo material levemos a firme resolução de expressar, em nossas vidas diárias, os elevados ideais de espiritualidade que aqui recebemos, para que dia a dia nos tornemos melhores homens e mulheres, e mais dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, à serviço da humanidade”.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

11. Apaga-se a luz do Templo

(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual do Solstício de Junho

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço do Solstício de Junho

O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura.
O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina o Símbolo e a que auxilia na leitura
Em seguida, fixa o olhar no Símbolo Rosacruz e fala a saudação Rosacruz:
“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

Todos respondem: “E na vossa também.”
Todos se sentam, menos o Oficiante.
Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:
Estamos agora no Solstício de Junho, estação durante a qual a manifestação física sobre a Terra atinge o seu máximo.

Todos os anos uma onda espiritual de vitalidade penetra na Terra por ocasião do Solstício de Dezembro para impregnar as sementes adormecidas na Terra e para dar nova vida ao mundo em que vivemos. Esse serviço é feito durante os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, enquanto o Sol transita pelos Signos zodiacais de Capricórnio, Aquário e Peixes, respectivamente.

Do ponto de vista cósmico, o Sol nasce quando Virgem, a Virgem Celestial, desponta no horizonte oriental à meia-noite de 24 de dezembro, trazendo consigo a Imaculada Criança. Durante os meses que se seguem, o Sol passa pelo violento Signo de Capricórnio onde, segundo o mito, todos os poderes das trevas se concentram numa frenética tentativa de matar o portador da Luz, o que é uma fase do drama solar, que é representado misticamente na história do rei Herodes e na fuga do menino para o Egito, para escapar da morte.

Quando o Sol entra no Signo de Aquário, o aguador, em Fevereiro, temos o tempo das chuvas e tempestades; e assim como o Batismo misticamente consagra o Salvador à Sua obra de Serviço, assim também as correntes de umidade que descem sobre a Terra a amaciam e a suavizam, para que possa produzir os frutos que preservarão as vidas dos que vivem sobre ela.

Vem, depois, a passagem do Sol pelo Signo de Peixes, os peixes. Nessa ocasião, as reservas do ano precedente estão quase consumidas e o alimento do ser humano é escasso. Temos, então, o longo jejum da Quaresma que representa misticamente, para o Aspirante, o mesmo ideal mostrado cosmicamente pelo Sol. Há, nessa ocasião, o Carnaval, o “carne-vale” dos latinos, que significa o adeus à carne, pois todo aquele que aspira à vida superior deve, em alguma ocasião, dizer adeus à natureza inferior com todos os seus desejos e se preparar para a Páscoa que, então, se aproxima.

Em Abril, quando o Sol CRUZA o Equador Celeste e entra no Signo de Áries, o Cordeiro, a cruz se ergue como um símbolo místico do fato que o candidato à vida superior deve aprender a renunciar ao envoltório mortal e começar a subida ao Gólgota, O LUGAR NO CRÂNIO; e daí atravessar o limiar dos Mundos invisíveis. Finalmente, imitando a ascensão do Sol aos Signos do céu setentrional, para promover com os seus raios quentes o crescimento das sementes no solo que foi revitalizando pela onda Crística durante os meses de dezembro, janeiro e fevereiro, o candidato deve aprender que o seu lugar é com o Pai e que, finalmente, deverá subir até aquele exaltado lugar.

Assim é que, presentemente, durante a estação que culmina em 21 de junho, o Grande Espírito de Cristo alcança o Mundo do Espírito Divino, o Trono do Pai. Durante os meses de julho e agosto, enquanto o Sol está em Câncer e Leão, o Cristo está reconstruindo o Seu Espírito de Vida, veículo que Ele trará ao mundo e com ele rejuvenescerá a Terra e os Reinos de vida que evoluem sobre ela.

Sem essa onda mística anual de energia vital do Cristo Cósmico, a vida física seria uma impossibilidade. Não poderia ter nem “pão nem vinho” físicos, nem a essência espiritual transubstanciada preparada alquimicamente com o sangue do coração do discípulo. A existência física é a escola ou laboratório no qual aprendemos a transmutar o metal básico das nossas naturezas inferiores no brilho esplendoroso da Pedra Filosofal e, dessa forma, tornando possível a nossa libertação para esferas mais elevadas, onde o nosso exaltado Ideal, o Cristo, está presentemente.

Há agentes por trás de todas as manifestações da Natureza – inteligências de diferentes graus de consciência, construtores e destruidores, que desempenham importantes papéis na economia da Natureza. O Solstício de Junho é o tempo de atividade dos duendes da terra e das entidades similares, no que se refere ao desenvolvimento material no nosso Planeta, como mostrado por Shakespeare no seu “Sonho de uma Noite de Verão”.

Pela ação semi-inteligente dos Silfos são elevadas da superfície do mar as partículas extremamente divididas de água evaporada, preparadas pelas Ondinas. Os Silfos transportam-nas tão alto quanto podem antes que sobrevenha a condensação parcial e sejam formadas as nuvens. Eles conservam consigo essas partículas de água até serem forçados a soltá-las pelas Ondinas. Quando dizemos que está havendo um temporal, estão sendo travadas batalhas na superfície do mar e no ar, algumas vezes com a ajuda das Salamandras que acendem as centelhas que unirão os separados hidrogênio e oxigênio e enviam suas setas inspiradoras de medo, em ziguezague, pelos céus escuros acompanhadas dos enormes estrondos de trovão que reboam na atmosfera, enquanto que as Ondinas, triunfalmente, arremessam as gotas de água recuperadas à terra para serem, novamente, devolvidas ao seu elemento materno.

Os pequenos Gnomos são necessários para construir as plantas e as flores. É serviço deles tingi-las com os inúmeros matizes de cores que deleitam nossos olhos. Eles, também, talham os cristais em todos os minerais e modelam as preciosas gemas que brilham nos diademas de ouro. Sem eles não haveria o ferro para nossas máquinas, nem o ouro para comprá-las. Eles estão presentes em toda parte e a proverbial abelha não é mais operosa do que eles. No entanto, à abelha é dado o crédito pelo trabalho que faz, enquanto os pequenos Espíritos da Natureza, que representam tão importante papel no serviço do mundo, são desconhecidos, menos para uns poucos que são chamados de tolos e sonhadores.

No Solstício de Junho as atividades físicas da Natureza estão no seu ápice ou zênite e, por isso, a “Noite de São João” é o grande Festival das Fadas que trabalham na forma para construir o universo material, que alimentam o gado, que cultivam o grão, que saúdam com regozijo e agradecem o pico da onda de força, que é a ferramenta que usam para modelar as flores, nas estonteantes variedades de delicadas formas, conforme seus arquétipos, e as tingem de inúmeras matizes que são o deleito e o desespero dos artistas.

Nessa que é a maior entre todas as noites de regozijo nessa época, todos esses pequenos servidores se reúnem para o Festival das Fadas, vindos dos pântanos e das florestas, dos vales e das clareiras. Realmente eles cozinham e preparam os seus alimentos etéricos e, depois de tudo, dançam em êxtases de regozijo – o regozijo de terem cumprido e servido os importantes propósitos deles na economia da Natureza.

É um axioma científico que a natureza não tolera nada que seja inútil; os parasitas e os zangões são uma abominação; o órgão que se tornou inútil se atrofia e, assim acontece com a perna ou com o olho que não são mais usados. A Natureza tem trabalho a fazer e exige o trabalho de todos para que justifiquem as suas existências e para que continuem fazendo parte dela. Isso se aplica tanto à planta como ao Planeta, tanto ao ser humano como aos animais e, também, às Fadas. Eles têm seu trabalho a cumprir; eles são seres vivos ocupados e suas atividades são a solução para muitos de uma variedade muito grande dos mistérios da Natureza.

Esses são os pontos que devemos nos esforçar para compreender perfeitamente, a fim de que possamos aprender a apreciar essa época do ano com toda a plenitude que se deveria.

Que calamidade cósmica seria se nosso Pai Celestial deixasse de prover os meios para o nosso sustento e para a nossa existência física, todos os anos! O Cristo do ano passado não pode mais nos salvar da fome física, assim como a chuva que caiu no último ano não pode encharcar o solo a fim de fazer eclodir as milhões de sementes que, agora, estão na fase de dormência na terra à espera das atividades germinais da vida do Pai, para começarem a crescer; o Cristo do ano passado não pode acender, novamente, em nossos corações as aspirações espirituais que nos estimulam a avançar no caminho, assim como o calor do último verão não nos pode aquecer agora. O Cristo do ano passado nos deu o Seu amor e a Sua vida até ao último alento, sem medida nem limite; quando Ele nasceu na Terra, no último Natal, Ele imbuiu com vida as sementes adormecidas que cresceram e, agradecidas por isso, encheram os nossos celeiros com o pão da vida física; Ele doou abundante e prodigamente, para nós, o amor que o Pai Lhe deu e quando esgotou totalmente a Sua vida, Ele morreu na Páscoa para novamente ascender ao Pai, como o rio, por evaporação, ascende ao céu.

Mas o amor divino circula interminavelmente; assim um pai ama seus filhos, o nosso Pai Celeste nos ama, pois Ele conhece a nossa dependência e a nossa fraqueza física e espiritual.

Devemos, portanto, aproveitar as oportunidades que são oferecidas a nós durante essa época que hoje se inicia para que a próxima vinda do Espírito de Cristo, novamente no Equinócio de Setembro, nos encontre melhor adaptados para responder, com maior facilidade, às poderosas vibrações espirituais com as quais seremos, então, banhados.

Concentremo-nos agora sobre Amor Divino e Serviço.

7. O período de concentração deve se prolongar por uns 5 minutos

8. Terminada a Concentração, o Oficiante cobre o Símbolo Rosacruz e acende as luzes

9. O Oficiante convida todos a se levantarem e a cantarem o Hino Rosacruz de Encerramento

10. O Oficiante profere a seguinte exortação de despedida:

“E agora, queridos irmãos e irmãs, que vamos partir de volta ao mundo material levemos a firme resolução de expressar, em nossas vidas diárias, os elevados ideais de espiritualidade que aqui recebemos, para que dia a dia nos tornemos melhores homens e mulheres, e mais dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, a Serviço da humanidade”.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

11. Apaga-se a luz do Templo

(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual do Solstício de Dezembro

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço do Solstício de Dezembro

1. O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura

2. O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina o Símbolo e a que auxilia na leitura

3. Em seguida, fixa o olhar no Símbolo Rosacruz e fala a saudação Rosacruz:

“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

4. Todos respondem: “E na vossa também.”

5. Todos se sentam, menos o Oficiante.

6. Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:

Estamos agora no Solstício de Dezembro, tempo em que a luz do Sol definha para o hemisfério norte, onde o frio e a tristeza são intensos nessa ocasião. Mas, na noite mais longa e mais escura para aquele hemisfério, o Sol retoma o seu caminho de ascensão para o norte; a Luz de Cristo de novo nasce na Terra e todo o mundo rejubila. A onda de vida e luz espiritual que será a base do crescimento e do progresso do próximo ano, atinge o máximo de sua altura e poder. A Terra está agora mais próxima do Sol e seus raios espirituais incidem em ângulo reto sobre a superfície da Terra no hemisfério norte, promovendo a espiritualidade, enquanto as atividades físicas são mantidas em expectativa, devido ao fato de os raios solares incidirem em ângulo oblíquo sobre a superfície da Terra.

É da maior importância para o Estudante esotérico conhecer e compreender as condições particularmente favoráveis que prevalecem por ocasião do Natal, mais do que em qualquer outra ocasião, de modo a poder dirigir todas as suas energias na direção espiritual, de forma a poder percorrer, com menor esforço, uma distância muito maior nessa direção.

O apóstolo deu-nos uma maravilhosa definição da Divindade quando disse que “Deus é Luz”. Por isso a palavra Luz tem sido utilizada nos Ensinamentos Rosacruzes para ilustrar a natureza divina, especialmente o mistério da Trindade na Unidade. É ensinado claramente nas Sagradas Escrituras de todos os tempos, que Deus é Um e Indivisível. Ao mesmo tempo verificamos que assim como a luz branca Una é refratada nas três cores primárias: vermelho, amarelo e azul, assim também Deus se apresenta em tríplice aspecto durante Sua manifestação, pelo exercício das três funções divinas: de Criação, Preservação e de Dissolução.

Quando Deus exerce o atributo de criação aparece como Jeová, o Espírito Santo; Ele é, então, o Senhor da Lei e da Geração e projeta a fertilidade solar diretamente através dos satélites lunares de todos os Planetas onde se torna necessário fornecer corpos para os seres evoluintes.

Quando Deus exerce o atributo de preservação com o propósito de conservar os corpos gerados por Jeová sob as Leis da Natureza, Ele aparece como o Redentor, o Cristo, e irradia os princípios do Amor e da Regeneração diretamente em qualquer Planeta onde as criaturas de Jeová requeiram este auxílio para se libertarem das malhas da mortalidade e do egoísmo, a fim de alcançar o altruísmo e a vida eterna.

Quando Deus exerce o atributo divino da dissolução, aparece como o Pai que nos chama de volta ao nosso lar celeste para assimilarmos os frutos da experiência e do crescimento anímico, por nós armazenado, durante o Dia da manifestação. Este solvente universal, o raio do Pai, emana então do Sol espiritual invisível.

Estes processos divinos de criação e nascimento, de preservação e de vida, de dissolução, morte e retorno ao Autor do nosso ser, vemos por toda a parte à nossa volta e reconhecemos o fato de que são atividades do Deus Triuno em manifestação.

Será que já imaginamos um mundo espiritual onde não existem acontecimentos definidos, onde não há condições estáticas, onde o princípio e o fim de todas as aventuras, de todos os tempos, estão presentes no eterno “Aqui” e “Agora”?

Do seio do Pai há uma permanente saída das sementes das coisas e acontecimentos que entram no reino do “tempo” e do “espaço”. Aí, elas se cristalizam, gradualmente, e se tornam inertes, sendo necessária à sua dissolução para que possam dar lugar a outras coisas e a outros acontecimentos.

Não podemos fugir dessa Lei Cósmica; ela se aplica no reino do “tempo” e do “espaço”, inclusive ao próprio raio de Cristo. Da mesma maneira que os rios, cujas águas são lançadas no oceano, se enchem novamente quando as águas do mar são evaporadas e a eles retornam como chuva, para de novo correrem para o mar, num incessante fluxo e refluxo, assim também o espírito de amor está eternamente nascendo do Pai, dia a dia, hora a hora, fluindo interminavelmente no universo solar para nos remir do mundo da matéria que nos prende nas suas garras de morte. Onda após onda é assim impelida do Sol para todos os Planetas, dirigindo ritmicamente as criaturas que neles evoluem.

Dessa maneira é, no sentido mais real e mais literal, um Cristo recém-nascido que nós saudamos em cada festa de Natal que se aproxima, e o Natal é o acontecimento anual mais vital para toda a humanidade, saibamo-lo ou não. Não é apenas a comemoração da data natalícia do nosso amado Irmão Maior Jesus, mas o advento do rejuvenescedor amor-vida do nosso Pai Celestial, por Ele enviado para livrar o mundo das garras mortais do inverno. Sem esta nova infusão de vida e de energia divina, cedo pereceríamos fisicamente, e todo o nosso progresso regular teria sido inútil, pelo menos no que se refere às nossas atuais linhas de desenvolvimento.

Infinita fonte de amor divino, o nosso Pai Celestial ama-nos, assim como um pai ama seu filho, pois, Ele conhece a nossa debilidade física e espiritual; Ele reconhece a nossa dependência. Por isso, estamos agora esperando confiantemente o nascimento místico do Cristo de outro ano, carregado com nova vida e amor, enviados pelo Pai para nos socorrer da fome física e espiritual que seria inevitável, não fora essa dádiva de amor anual.

Com tempo, todo o mundo compreenderá que “Deus é Espírito” e que em Espírito e em Verdade deverá ser adorado. Nada podemos fazer para que possamos retratá-lo, pois Ele não é semelhante a nenhuma coisa existente nem no céu nem na Terra.

Podemos ver os veículos físicos de Jeová circulando como satélites em torno de vários Planetas; podemos ver o Sol, que é o veículo visível do Cristo; mas o Sol Invisível, que é o veículo do Pai, e a origem de tudo, aparece aos maiores videntes humanos apenas como uma oitava superior da fotosfera do Sol, como um anel de luz azul-violeta, por trás do Sol.

Porém não necessitamos vê-Lo; sentimos o Seu Amor, e este sentimento nunca é tão intenso como por ocasião do Natal, quando Ele nos dá o maior de todos os presentes: o Cristo do Ano Novo.

Toda e qualquer partícula de energia física provém do Sol visível; e é do invisível Sol espiritual que obtemos toda a nossa energia espiritual. No momento presente não podemos olhar diretamente para o Sol, se assim fizéssemos ficaríamos cegos. Podemos, porém, olhar para a luz solar refletida que vem da Lua. Assim também o ser humano não pode resistir ao impulso espiritual direto vindo do Sol e por isso esse impulso tem de ser enviado por meio da Lua, pelas mãos e por intermédio de Jeová, o regente da Lua, como Religião de Raça. Somente pela Iniciação é possível chegar ao contato direto com o impulso espiritual do Sol. Um véu pendia diante do Templo.

Dessa forma, na Noite Santa a que chamamos Noite de Natal, era costume entre os “homens sábios” (os Magos) – aqueles que estavam muito na vanguarda da humanidade comum – chamar aqueles que também se preparavam para se tornar sábios e conduzi-los à Iniciação, no interior dos Templos. Levavam-se a efeito certas cerimônias e os candidatos entravam em transe. Nesse tempo não seria possível a Iniciação em estado de vigília; tinha que ser cumprida em estado de transe.

Quando a percepção espiritual despertava nos candidatos, estes podiam ver através da Terra; não viam nenhum detalhe, mas a Terra se tornava transparente e eles viam o Sol do outro lado da Terra, viam o que se chamava a “A Estrela da Meia-Noite”.

Posteriormente foi possível ao ser humano receber o impulso espiritual mais diretamente, e quando chegou a ocasião em que o Espírito de Cristo pôde ser admitido na Terra – através da nossa evolução, um Raio do Cristo Cósmico veio até nós e se encarnou no corpo do nosso Irmão Maior Jesus. Foi assim que veio o Espírito de Cristo, o ponto de partida do impulso espiritual direto.

Exotericamente o Sol tem sido considerado desde tempos imemoráveis como o doador de vida, porque a multidão era incapaz de ver a grande verdade espiritual existente por trás desse símbolo material. No entanto, para além daqueles que adoravam o corpo celeste que viam com os olhos físicos, havia também, e ainda hoje há, uma pequena, porém crescente minoria, um sacerdócio consagrado mais pelas ações retas do que pelo ritual, que via e vê as verdades espirituais, essas verdades sob a forma de cerimonial, cerimonial esse que mudava de acordo com o tempo e com o povo a que era destinado. Para esses, a lendária Estrela de Belém brilha todos os anos como o Sol Místico da Meia-Noite que penetra nosso Planeta no Solstício de Dezembro e logo começa a irradiar, do centro do nosso globo, a Vida, a Luz e o Amor, os três atributos divinos. Estes raios de força e de esplendor espiritual enchem nosso globo com luz celestial que envolve todas as criaturas sobre a Terra, da menor à maior, indistintamente.

Nesta Noite Santa da qual acabamos de falar, quando o Cristo nasce, como um Sol, para iluminar a nossa escuridão, a influência espiritual é mais forte e pode ser atingida com muito maior facilidade. Esta é a grande verdade encoberta pela Estrela da Noite Santa, que iluminava a noite mais escura e comprida do ano – para o hemisfério norte (Esta noite mais escura e mais longa simboliza também o desesperado estado de alma daquele que procura a Iniciação).

Quando o Cristo aqui chegou, alterou as vibrações da Terra e desde então continua a alterá-las constantemente. Cristo rasgou o “Véu do Templo”. Ele tornou o Santo dos Santos – o lugar da Iniciação – acessível a “todo aquele que quiser”.

Desde então não houve mais necessidade de transe; não é mais necessário provocar estados subjetivos com o propósito de conseguir a Iniciação. Todo aquele que quiser penetrar no Templo para se iniciar, fá-lo-á em estado consciente.

Na Ordem Rosacruz, os nove Mistérios Menores, ou Iniciações Menores, se referem somente à evolução da humanidade durante o Período Terrestre; o quinto grau desses Mistérios conduz o candidato ao final do Período Terrestre quando a humanidade gloriosa estará assimilando os frutos desse Período, retirando-os dos sete Globos nos quais evoluímos durante cada dia de manifestação, para transportá-los ao primeiro dos cinco globos obscuros que constituem nossa vivenda durante a Noite Cósmica. Depois de ter visto o fim, no quinto grau, o candidato é informado sobre os meios pelos quais este final será atingido no decorrer das três Revoluções e meia que faltam para se completar o Período Terrestre; os quatro graus restantes são dedicados à iluminação do candidato a esse respeito. O nono ou último desses graus é atingido nos Solstícios de Junho e de Dezembro, tendo o candidato, por essa ocasião, obtido acesso a todas as camadas ou estratos da Terra.

Este é o grande destino que está reservado a cada um de nós. Disse o Cristo aos Seus discípulos: “Aquele que crer em Mim, fará as coisas que eu faço… e ainda maiores”. É um fato sublime sermos nós Cristos em formação; quanto mais cedo nos convencermos que devemos dar nascimento ao Cristo Interno antes de podermos ver o Cristo exterior, mais depressa chegará o dia da nossa iluminação espiritual. Cada um de nós será, oportunamente, conduzido pela Estrela até ao Cristo, mas é necessário acentuar que não seremos conduzidos a um Cristo exterior, mas ao Cristo que está no Interior.

“Embora Cristo possa nascer mil vezes em Belém,

Se não nascer dentro de ti, tua alma continuará extraviada”.

Entremos, agora, em silêncio e, por alguns instantes, concentremo-nos sobre o Amor Divino e o Serviço.

7. O período de concentração deve se prolongar por uns 5 minutos

8. Terminada a concentração, o Oficiante cobre o Símbolo Rosacruz e acende as luzes

9. O Oficiante convida todos a se levantarem e a cantarem o Hino Rosacruz de Encerramento

10. O Oficiante profere a seguinte exortação de despedida:

“E agora, queridos irmãos e irmãs, que vamos partir de volta ao mundo material levemos a firme resolução de expressar, em nossas vidas diárias, os elevados ideais de espiritualidade que aqui recebemos, para que dia a dia nos tornemos melhores homens e mulheres, e mais dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes na obra benfeitora dos Irmãos Maiores, a Serviço da Humanidade”.

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”

11. Apaga-se a luz do Templo

(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual de Véspera de Natal

FRATERNIDADE ROSACRUZ


Ritual do Serviço de Véspera de Natal – Noite Santa
O Oficiante convida os presentes a cantarem, de pé, o Hino Rosacruz de Abertura.
O Oficiante ilumina e descobre o Símbolo Rosacruz e apaga as luzes, exceto a que o ilumina o Símbolo e a que auxilia na leitura.
Em seguida, fixa o olhar no Símbolo Rosacruz e fala a saudação Rosacruz:
“Queridos irmãos e irmãs:

Que as rosas floresçam em vossa cruz”

Todos respondem: “E na vossa também.”
Todos se sentam, menos o Oficiante.
Em seguida, o Oficiante começa a leitura do texto do Ritual:
Uma vez mais, no transcurso de um ano, encontramo-nos na véspera de Natal, o acontecimento mais importante para a humanidade. Evocando solenemente esta noite memorável, leiamos o relato da Anunciação e do Nascimento, tal como exposto no primeiro capítulo do Evangelho de São Lucas e no segundo capítulo do Evangelho de São Mateus, em nossa Bíblia Sagrada, que nos foram dadas pelos Anjos do Destino:

“E foi enviado por Deus o Anjo Gabriel a uma cidade da Galileia, chamada Nazaré, a uma virgem desposada com um varão, que se chamava José, da casa de Davi, e o nome da virgem era Maria. E, entrando o Anjo onde ela estava, disse-lhe: ‘Deus te salve, cheia de graça, o Senhor é contigo: Bendita és tu entre as mulheres.’. Ela, tendo ouvido estas coisas, turbou-se com suas palavras e discorria pensativa que saudação seria esta. E o Anjo disse-lhe: ‘Não temas, Maria, pois achaste graça diante de Deus; eis que conceberás no teu ventre, e darás a luz um filho, e por-lhe-ás o nome de Jesus. E este será grande, e será chamado FILHO DO ALTÍSSIMO, e o Senhor Deus lhe dará o trono de seu Pai Davi, e reinará eternamente na casa de Jacó; e o seu reino não terá fim’. E Maria disse ao Anjo: ‘Como se fará isso, pois, eu não conheço varão?’. E respondendo o Anjo disse-lhe: ‘O Espírito Santo descerá sobre ti, e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a Sua sombra e por isso mesmo o Santo, que há de nascer de ti, será chamado Filho de Deus’.” (Lc 1:26-36).

“Tendo, pois, nascido Jesus em Belém de Judá, reinando o rei Herodes, eis que uns sábios chegaram do Oriente a Jerusalém, dizendo: ‘Onde está o rei dos Judeus, que acaba de nascer? Porque vimos a Sua Estrela no Oriente e viemos adora-lo’. E, ouvindo isto, o rei Herodes turbou-se e toda a cidade de Jerusalém com ele. E, convocando todos os príncipes dos sacerdotes, estes o disseram: ‘Em Belém de Judá, porque foi escrito pelo profeta: e tu, Belém, Terra de Judá, não és a mínima entre as principais cidades de Judá, porque de ti sairá o chefe que há de comandar Israel, meu povo’. Então, Herodes, tendo chamado secretamente os sábios, inquiriu deles cuidadosamente que tempo havia que lhes tinham aparecido a estrela; e, enviando-os a Belém, disse: ‘Ide e informai-vos bem acerca do menino e, quando o encontrardes, comunicai-mo a fim de que eu também o vá adorar’. E eles, tendo ouvido estas palavras do rei, partiram; e eis que a estrela que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até que chegando sobre onde estava o menino, parou. Vendo a estrela ficaram possuídos de grandíssima alegria. E, entrando na casa, encontraram o menino com Maria, sua mãe, e prostrando-se, o adoraram; e, abrindo os seus tesouros, lhe ofereceram presentes de ouro, incenso e mirra. E, tendo recebido aviso em sonhos para não tornarem a Herodes, voltaram por outro caminho a seu país.” (Mt 2:1-2; 12).

Aprendemos, através dos ensinamentos dos Irmãos Maiores da Rosacruz, que os Solstícios de Junho e Dezembro, juntamente com os Equinócios de Março e Setembro, formam os pontos de transição na vida do Grande Espírito da Terra, um Raio do Cristo Cósmico, que veio ajudar a humanidade a substituir a Lei pelo Amor. Ele tomou os Corpos Denso e Vital de Jesus e apareceu como homem entre os homens, para demonstrar que somente através de um trabalho interno é possível superar a separatista religião de raça e estabelecer a Fraternidade Universal.

Em Setembro ocorre uma mudança na atmosfera terrestre; uma luz começa a resplandecer nos céus e a se espalhar por todo o universo solar. Gradualmente, essa luz aumenta em intensidade, envolvendo totalmente o nosso globo. Pouco a pouco vai penetrando em nosso Planeta, até concentrar-se no centro da Terra. Na Noite Santa, quando o Signo zodiacal da Virgem Celestial Imaculada se coloca sobre o horizonte oriental, essa luz alcança seu menor comprimento e seu máximo de poder e resplendor. Começa a irradiar, então, seu concentrado raio luminoso, infundindo vida nova a Terra e assegurando, deste modo, as atividades da Natureza para o ano seguinte. Este é o princípio do grande drama cósmico que se realiza todos os anos, de Dezembro à Março.

Sendo assim, o Natal não é meramente a comemoração do nascimento de nosso amado Irmão Maior, Jesus de Nazaré, senão também o advento do influxo rejuvenescedor, de amor e de vida, de nosso Pai Celestial, enviado por Ele para redimir o mundo do jugo da morte invernal. Sem este novo influxo de vida e energia divinas, nós logo pereceríamos fisicamente e nosso processo de evolução atual seria frustrado, no que concerne a atual linha de desenvolvimento. Agora é quando a Terra se encontra mais próxima do Sol. Os raios espirituais caem em ângulo reto sobre a superfície da Terra no Hemisfério Norte, promovendo espiritualidade, ao mesmo tempo em que as atividades físicas se mantêm latentes, devido ao ângulo oblíquo com que os raios solares incidem na superfície da Terra, naquele Hemisfério. O decaimento das atividades físicas cede lugar a um poderoso fluxo das forças espirituais que alcançam o ponto máximo na noite de 24 para 25 de dezembro. Daí que a noite de Natal seja chamada “Noite mais Santa” do ano.

Por outro lado, não devemos esquecer que o nascimento de Cristo na Terra é ao mesmo tempo a morte de Cristo para a glória dos céus; este é o tempo que nós regozijamos pelo Seu retorno anual, onde Ele toma sobre si a pesada carga física, que nós cristalizamos sobre nós mesmos e que, presentemente, é a nossa morada: a Terra. Nesse corpo pesado Ele é incrustado e, ansiosamente, Ele espera pelo dia de Sua final libertação.

Qual deverá ser, pois, a maior aspiração do devoto e iluminado Aspirante, já consciente da grandiosidade do sacrifício de Cristo, da magnitude desta graça conferida por Deus à humanidade, na época presente do ano? Que percebe que este sacrifício de Cristo é por nossa causa, sujeitando-Se a uma morte virtual, para que possamos viver? Seu maravilhoso Amor está sendo derramado sobre a Terra inteira, nesse momento! Será, certamente, o anseio de imitar, embora dentro de suas limitadas proporções, as portentosas obras de Deus; a aspiração de converter-se, mais do que nunca, em servidor da Cruz; o de seguir mais de perto o Cristo em tudo se sacrificando pelas suas irmãs e irmãos, buscando elevar a todos os seus semelhantes em seu imediato círculo de relações, a fim de antecipar o dia da libertação final. Se trabalharmos sinceramente em nossa própria esfera, não importa onde ela possa estar, então veremos o maravilhoso crescimento anímico que poderá ser alcançado; e todos podem ver que a luz de Natal, a luz do Cristo recém-nascido, brilhando dentro de nossa esfera de ação.

As vibrações espirituais são mais intensas à meia noite da Noite Santa. Nessa noite é mais fácil obter um contato consciente com o Sol espiritual e a retrospecção e as resoluções para o novo ano são mais eficazes.

Vamos unir nossos esforços espirituais concentrados de aspiração e oração para o crescimento individual e coletivo da alma a fim de termos um ano espiritualmente produtivo.

Queridos Irmãs e Irmãos:

Esforcemo-nos por alcançar, durante o próximo ano, um maior grau de semelhança com Cristo, maior do que já alcançamos. Busquemos viver de tal modo que, ao transcorrer novo ano, vejamos a Luz do Natal e escutemos dentro de nós o tanger dos sinos evocando nossa presença ao Serviço da Noite Santa e sintamos que nossa vida tem realmente sido frutífera a serviço de Cristo.

Entremos agora em SILÊNCIO e, por alguns instantes concentremo-nos sobre este tema: NASCIMENTO ESPIRITUAL POR MEIO DO SERVIÇO A CRISTO.

Em torno de 5 minutos
Terminada a Concentração, o Oficiante cobre o Símbolo Rosacruz e acende as luzes
O Oficiante convida todos a se levantarem e a cantarem o Hino Rosacruz de Encerramento
O Oficiante profere a seguinte exortação de despedida:
E agora, queridas Irmãs e Irmãos, retiremo-nos silenciosamente, falando apenas o que seja absolutamente necessário, e de novo meditemos sobre estas coisas, consagrando nossas vidas e tomando resoluções para um novo ano espiritualmente produtivo de modo que a cada dia nós possamos, como indivíduos e como uma Fraternidade, tornarmo-nos dignos de sermos utilizados como colaboradores conscientes da obra benfeitora dos Irmãos Maiores a serviço da humanidade.

QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ

Apaga-se a luz do Templo
(todos devem se retirar do Templo em silêncio)

Ritual do Serviço de Funeral

FRATERNIDADE ROSACRUZ

Ritual do Serviço de Funeral

Preparar o ambiente com músicas elevadas.

Um membro, de preferência de sexo oposto ao do orador, convida os presentes a cantarem, de pé, a terceira estrofe “Mais perto, meu Deus, de Ti”:

“Deixa-me ver o caminho

Que ao céu me conduz;

Tudo o que Tu me dás

São dádivas de consolo.

Os anjos chamam-me;

Mais perto quero estar,

Mais perto quero estar,

Meu Deus, de Ti!”

O Leitor descobre o Símbolo Rosacruz
Em seguida dirige aos presentes a saudação Rosacruz:
Queridas irmãs e irmãos: (Fixa o Símbolo)

“QUE AS ROSAS FLORESÇAM EM VOSSA CRUZ”
(Todos respondem: E na vossa também)

(Todos se sentam, menos o oficiante)

Dediquemos um momento à meditação silenciosa sobre o Amor, a Paz e a tranquilidade.

(Terminado um minuto o Oficiante faz a seguinte alocução)

“Não quero, porém, Irmãos, que sejais ignorantes acerca dos que já dormem, para que não vos entristeçais, como os demais, que não tem esperança”.

“Porque, se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, assim também aos que em Jesus dormem, Deus os tornará a trazer com Ele.” (I Tessalonicenses Capítulo 4, Versículos de 13 a 14).

“Mas alguém dirá: como ressuscitarão os mortos? E com que corpos virão?”

“Insensato! O que tu semeias não é vivificado, se primeiro não morrer!”

“E quando semeias, não semeias o corpo que há de nascer, mas simples grãos, como de trigo, ou outra semente qualquer”.

“Mas Deus dá-lhe o corpo como quer, e a cada semente (ser humano) o seu próprio corpo”.

“Nem toda a carne é uma mesma carne, mas uma é a carne dos seres humanos, e outra é a carne dos animais, e outra a dos peixes, e outra é a das aves”.

“E há corpos celestes e corpos terrestres, mas uma é a glória dos celestes e outra dos terrestres”.

“Uma é a glória do Sol, e outra a glória da Lua, e outra a glória das estrelas; porque uma estrela difere em glória de outra estrela”.

“Assim, também, a ressurreição dos mortos. Semeia-se o corpo em corrupção: ressuscitará em incorrupção”.

“Semeia-se desprezível, ressuscitará em glória. Semeia-se em fraqueza, ressuscitará com vigor”.

“Semeia-se corpo animal, ressuscitará corpo espiritual. Se há corpo animal, há também corpo espiritual”. (Primeira Epístola de São Paulo aos Coríntios, Capítulo 15, Versículos de 35 a 44).

Uma das provas do valor da Religião é o conforto que nos dá quando a dor e a tristeza põem à prova nossos corações. Para cumprir sua missão a religião dever trazer-nos conforto, particularmente por ocasião da separação final de nossos entes queridos. Quando a morte nos aflige, quando Deus quer terminar a vida terrena atual dos nossos parentes e amigos, quando nossos recursos humanos tenham sido esgotados, então procuramos na religião a coragem e a fortaleza que nos permita suportar a carga da nossa grande perda e da nossa tristeza.

Como preenchem esses requisitos os Ensinamentos Rosacruzes? Em primeiro lugar, eles nos dizem que a morte não é o fim; e também como, sob a Lei de Consequência, o fruto de nossas ações nesta vida, sejam boas ou más, deve ser colhido em algum tempo futuro, pois a Bíblia nos diz: “Aquilo que o homem semear, isso mesmo colherá”.

Sabemos ser impossível cancelar nossos atos bons ou maus pelo simples fato de morrer, como também o é compensar nossos credores mudando-nos para outra cidade. A dívida continua existindo e, algum dia, e em algum lugar, deve ser liquidada.

Regozijamo-nos quando nasce uma alma, isto é, quando é encerrada em vestimenta de barro; mas nos lamentamos quando ela abandona esta forma por ocasião a morte, porque não podemos perceber que essa conduta é exatamente o contrário do que deveria ser. O Espírito é aprisionado nesta camada de barro quando nasce neste Mundo Físico, para, durante muitos anos, sujeitar-se às dores, sofrimentos e enfermidades que são a herança da carne. Porém a vida física é necessária para que a alma possa aprender as lições na escola da vida.

Se devêssemos entregar-nos à tristeza, isto deveria ser quando o espírito nasce neste Mundo, mas deveríamos regozijar-nos quando a morte chega para libertá-lo do sofrimento e dos incômodos da existência física. Se pudéssemos ver e sentir o alívio que sentem nossos entes queridos quando se libertam de um corpo doente, em verdade ficaríamos felizes e não mais nos lamentaríamos. Imaginem uma pobre alma que esteja prisioneira num leito, doente, quando desperta no mundo invisível onde pode mover-se à vontade, livre da dor.

Não desejaríamos boa viagem a esta alma, em vez de nos lamentarmos?

Deus chamou nosso Amigo (a) (dizer o nome dele (a)) para cumprir uma maior tarefa, em campo maior, em outro mundo onde ele (a) não necessita de Corpo físico e, por isso, ele (a) abandonou o que possuía.

(Faça um pequeno resumo das qualidades e atividades passadas do Amigo (a))

Assim como uma criança comparece à escola dia após dia, para adquirir conhecimentos, tendo noites de descanso entre os dias de escola, enquanto desenvolve o seu corpo da infância até a estatura do adulto, assim também o espírito freqüenta a escola da vida durante uma sucessão de vidas habitando uma série de corpos terrestres de qualidade sempre melhorada, com os quais ganha experiência. É como disse Oliver Wendell Holmes:

“Constrói mansões mais duradouras, minha alma,

À medida que passam as velozes estações!

Abandona tua cripta anterior!

Que cada novo templo, melhor que o anterior,

Te separes do céu com cúpula maior,

Até que afinal te libertes,

Trocando tua concha por um oceano irrequieto de vida!”

Sabemos que nosso (a) Amigo (a) voltará algum dia, em algum lugar, com um corpo melhor e mais aperfeiçoado do que o corpo que agora abandonou. Sabemos que por ação da imutável Lei de Consequência, ele (a) deve voltar para que, por meio de vidas repetidas e de reiteradas amizades, seu natural amor possa aumentar e submergir num oceano de Amor.

A morte perdeu seu aguilhão no que diz respeito a nós, não porque tenhamos ficado endurecidos ou que amemos menos nossos parentes e amigos, mas porque estamos convencidos que temos provas absolutas de que a morte não existe. Não temos motivos para afligir-nos porque o cordão prateado partiu-se e o corpo esteja para retornar ao pó de onde veio, pois sabemos que o espírito de nosso (a) Amigo (a) está mais vivo que nunca, e que está presente entre nós, embora invisível para muitos.

Entregamos à terra (ou fogo se for cremado) as vestimentas que este Espírito habitou, para que seus elementos possam ser transferidos a outras formas pela alquimia da natureza.

Como disse o poeta Arnold:

“O espírito jamais nasceu!

O espírito nunca deixará de ser!

Nunca houve tempo em que ele existisse;

O fim e o princípio são sonhos,

O espírito permanece para sempre independente dos nascimentos e das mortes;

A morte não tem nenhuma influência sobre ele,

Embora pareça morta sua habitação “

“Assim como tiramos uma roupa usada

E apanhamos outra, dizemos:

‘Hoje usarei esta!’

Assim também o espírito abandona sua veste de carne

E parte para voltar a ocupar

Nova habitação, recém-construída”.

Elevemos uma prece pedindo ajuda de Deus para que nosso (a) Irmão (ã) que partiu possa logo receber seu novo serviço no outro lado

(Terminar cantando ou falando a última estrofe do Hino de Encerramento:)

Deus te guarde até retornar
Faze a vida virtuosa
No ideal da Cruz de Rosas
Até quando a voltes a saudar.

6. Segue o Serviço no Crematório ou no Cemitério

Serviço no Crematório ou no Cemitério

Agora, entregamos esta roupagem de carne já usada que se tornou muito pequena para o Espírito que conhecemos pelo nome de (dizer o nome do Amigo (a)) aos elementos dos quais veio. Nosso Amigo (a) não foi para longe; ele (a) está entre nós embora invisível para aqueles a quem amou. Ele (a) está livre e revestido (a) do corpo apropriado para a vida superior a qual partiu; assim desejamos-lhe sucesso em seu novo ambiente.

A morte não existe

A morte não existe. Os Astros escondem-se

para elevarem-se sobre novas terras.

E sempre brilhando no diadema celeste

espalham seu fulgor incessantemente.

A morte não existe. As folhas do bosque

converte em vida o ar invisível;

as rochas quebram-se para alimentar

o musgo faminto que nelas nascem.

A morte não existe. O chão que pisamos

converter-se-á, pelas chuvas do verão,

em grãos dourados ou doces frutos,

ou em flores com as cores do arco-íris.

A morte não existe. As folhas caem,

as flores murcham e secam;

esperam apenas, durante as horas do inverno,

pelo hálito morno e suave da primavera.

A morte não existe; embora lamentamos

quando as lindas formas familiares,

que aprendemos a amar, sejam afastadas

dos nossos braços

Embora com o coração partido,

vestido de luto e com passos silenciosos,

levemos seus restos a repousar na terra,

e digamos que eles morreram.

Eles não morreram. Apenas partiram

para além da névoa que nos cega aqui,

para nova e maior vida

dessa esfera mais serena.

Apenas despiram suas vestes de barro,

para revestirem-se com traje mais brilhante;

não foram para longe,

não foram “perdidos”, nem partiram.

Embora invisível aos nossos olhos mortais,

continuam aqui e nos amando;

nunca se esquecem

dos seres amados que deixaram.

Por vezes sentimos sobre nossa fronte febril

sua carícia, um hálito balsâmico.

Nosso espírito os vê, e nossos corações

sentem conforto e calma.

Sim, sempre junto a nós, embora invisíveis

continuam nossos queridos espíritos imortais

pois todo o universo infinito de Deus

É VIDA. – A MORTE NÃO EXISTE!

(John McCheery)

Oração do Estudante Rosacruz

Se você está fazendo a Oração do Estudante Rosacruz sozinho então, você deve proferi-la assim:

“Aumenta o meu amor por ti, Ó Deus

Para que eu possa servir-Te melhor a cada dia que passa

Faze que as palavras de meus lábios

E as meditações do meu coração

Sejam agradáveis a Tua presença

Ó Senhor, minha força e meu redentor.”

Se estiver com mais de uma pessoa, então a faça assim:

“Aumenta o nosso amor por ti, Ó Deus

Para que possamos servir-Te melhor a cada dia que passa

Faze que as palavras dos nossos lábios

E as meditações dos nossos corações

Sejam agradáveis a Tua presença

Ó Senhor, nossa força e nosso redentor.”

Oração Rosacruz

“Não Te pedimos mais luz, ó Deus, senão olhos para ver a luz que já existe;

não Te pedimos canções mais doces, senão ouvidos para ouvir as presentes melodias;

não Te pedimos mais força, senão o modo de usar o poder que já possuímos;

não mais Amor, senão habilidade para transformar a cólera em ternura;

não mais alegria, senão como sentir mais próxima essa inefável presença, para dar aos outros tudo o que já temos de entusiasmo e de coragem;

não Te pedimos mais dons, amado Deus, mas apenas senso para perceber e melhor usar os dons preciosos que já recebemos de Ti.

Faze que dominemos todos os temores;

que conheçamos todas as santas alegrias;

para que sejamos os Amigos que desejamos ser;

para transmitir a Verdade que conhecemos;

para que amemos a pureza;

para que busquemos o Bem.

E, com todo o nosso poder, possamos elevar todas as Almas, a fim de que vivam em harmonia e na luz de uma perfeita Liberdade.”

A Oração do Senhor: o Pai Nosso

Pai nosso, que estais nos Céus, santificado seja o Vosso Nome.

Venha a nós o Vosso Reino.

Seja feita a Vossa vontade, assim na Terra como nos Céus.

O pão nosso de cada dia nos dai hoje.

Perdoai as nossas dívidas, assim como também perdoamos aos nossos devedores.

E não nos deixeis cair em tentação, mas livrai-nos do mal.

Porque Vosso é o reino, o poder e a glória para sempre.

Amém.

Orações Científicas

ORAÇÕES PARA OS DOZE SÍGNOS DO ZODÍACO

ÁRIES — Ajuda-me, Senhor, a ser calmo e paciente. Preciso dominar e controlar o meu temperamento, para evitar atos impulsivos e precipitados. Devo pensar calmamente antes de agir. Empregarei a minha energia e o meu entusiasmo em empreendimentos justos e nobres. Ajuda-me, senhor, a conquistar o meu domínio próprio. Sou senhor de mim mesmo.

TOURO — Ajuda-me, senhor, a ser tolerante e generoso. Preciso deixar de ser teimoso e obstinado. Devo respeitar os interesses dos outros. Não serei mais egoísta e afastarei de mim a inveja. Não quero ser malicioso. Todos têm os mesmos direitos que eu. Tratarei a todos com respeito e consideração. Serei sempre calmo e paciente, mesmo que me provoquem.

GÊMEOS — Ajuda-me, Senhor, a ser persistente e firme nos meus propósitos. Preciso concentrar as minhas energias, e sustentar os esforços começados, até alcançar o êxito. Não abandonarei os meus empreendimentos. Procurarei estudar e compreender mais a fundo as coisas. Não me deixarei levar unicamente por sensações e novidades. Ajuda-me, Senhor, a estabilizar-me em tudo o que for justo e conveniente.

CÂNCER — Ajuda-me, Senhor, a ver o lado bom, positivo e construtivo, em todas as coisas. Minha mente é positiva. Não quero ver o mal em coisa alguma. Não desconfio de ninguém. Quero ser franco e sincero com todos. Preciso orientar a minha imaginação e dirigi-la para fins superiores e generosos. Domino a minha imaginação e dirijo-a somente para ideias
positivas e felizes.

LEÃO — Ajuda-me, Senhor, a dominar o meu temperamento e controlar os sentimentos. Preciso manter-me numa linha justa. Não quero exceder-me em coisa alguma. Não sou orgulhoso nem pretensioso. Tratarei a todos com a maior consideração e respeito. Não sou impulsivo, nem me deixarei levar por impulso de nenhuma espécie. Sou senhor de mim mesmo, paciente e generoso.

VIRGEM— Ajuda-me, Senhor, a ser altruísta, generoso e franco. Preciso ter consideração e respeito pelos outros. Não desconfio de ninguém. Amo a todos como a mim mesmo. Quero ser expansivo, alegre e otimista. Sou firme e perseverante. Quero pôr em execução as minhas boas ideias. Tenho iniciativa e posso desenvolvê-las. Confio no auxílio dos meus amigos. Sou amigo de todos.

LIBRA — Ajuda-me, Senhor, a ser mais positivo e a ter confiança em mim mesmo. Preciso agir com coragem e determinação. Enfrento a vida com otimismo. Posso vencer todas as dificuldades, e não temerei coisa alguma. Tenho força de vontade e não deixarei que as circunstâncias me afetem. Sou positivo. Domino os meus sentimentos. Cumprirei os meus deveres com firmeza e determinação. Serei rigoroso comigo mesmo.

ESCORPIÃO — Ajuda-me, Senhor, a ser tolerante, paciente e generoso. Preciso respeitar e considerar os meus semelhantes. Não quero ser exigente. Não tenho o direito de forçar os outros. Deixarei que os outros vivam a sua vida. Respeitarei as opiniões alheias. Sou sincero e justo. Não devo criticar a ninguém. Domino meu temperamento. Domino os meus sentimentos. Ajuda-me, Senhor, a amar os meus semelhantes e a respeitá-los.

SAGITÁRIO — Ajuda-me, Senhor, a libertar-me de fantasias e de ilusões. Preciso orientar as minhas forças para fins generosos e altruístas. Tratarei a todos com sinceridade e respeito. Não me iludo com aparências. Cumprirei os meus deveres e não deixarei as minhas obrigações.

CAPRICÓRNIO — Ajuda-me, Senhor, a ser altruísta, liberal e generoso. Preciso respeitar os meus semelhantes, e ver tudo com bons olhos. Sou sincero e justo para com todos. Respeitarei as opiniões alheias. Domino o meu temperamento. Perdoarei todos os erros que por ventura fizerem contra mim. Saberei perdoar e esquecer Sou amigo de todos, alegre e otimista.

AQUÁRIO — Ajuda-me, Senhor, a ser paciente e tolerante. Preciso dominar o meu temperamento e respeitar as opiniões alheias. Não sou caprichoso. Só farei aquilo que for razoável e justo. Devo respeitar os interesses coletivos. Preciso ser calmo e paciente, em todas as circunstâncias.

PEIXES — Ajuda-me, Senhor, a ser mais positivo em todos os meus atos. Preciso governar a minha vida, com coragem e determinação. Quero ver a realidade das coisas, sem sentimentalismos e fantasias. Sou otimista e calmo, aconteça o que acontecer. Domino a minha sensibilidade e agirei com firmeza em qualquer circunstância. Não me deixarei influenciar por sugestões alheias. Nada pode perturbar-me e tirar-me o sossego. Sou senhor de mim mesmo.

ORAÇÕES PARA QUANDO OS PLANETAS ESTÃO AFLITOS

SOL — Ajuda-me, Senhor, a ser modesto, simples e generoso. Devo tratar a todos com respeito e consideração. Não sou orgulhoso, nem me considero maior e mais importante do que os outros. Respeito os sentimentos alheios, e tratarei a todos com delicadeza. Não desprezo a ninguém. Protegerei os humildes e os fracos, e jamais abusarei deles. Respeito os meus superiores e saberei obedecê-los com dignidade e dedicação. Serei sincero e justo, em todas as circunstâncias. Invoco em meu coração as forças divinas de MICHAEL (Miguel), o poderoso Gênio de Luz, governante do Sol, representante da Autoridade, do Poder e da Justiça de Deus, para que confirme e reforce em minha alma as qualidades superiores que Ele representa. Confirmo e reforço em minha alma a DIGNIDADE, a HONRA, a ORDEM, a AUTORIDADE, a DISCIPLINA, o RESPEITO e a JUSTIÇA.

VÊNUS – Ajuda-me, Senhor, a ser cuidadoso, diligente e dedicado. Sou senhor de mim mesmo e domino o meu temperamento. Não me deixarei levar por excessos sensuais. Quero ser virtuoso, e tratarei a todos com decência e respeito. Controlo as minhas palavras, e nunca usarei linguagem indigna e desvirtuada. Procuro e defendo a moralidade. Sou cuidadoso comigo mesmo e não entregarei a nenhuma espécie de vício. Ponho acima de tudo o valor moral das coisas. Invoco e chamo em meu auxílio às forças de ANAEL, o amoroso Gênio governante de Vênus, representante do Amor, da Bondade e da Virtude de Deus, para que confirme e reforce em minha alma as suas qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma o AMOR, a MISERICÓRDIA, a BONDADE, a VIRTUDE, o RESPEITO, o ALTRUISMO, e o SACRIFÍCIO.

MERCÚRIO — Ajuda-me, Senhor, a dominar e equilibrar a minha mente. Preciso ser calmo e examinar tudo com paciência. Só tomarei qualquer decisão depois de pensar maduramente. Devo ser justo e verdadeiro nas minhas palavras e atos. Falarei somente a verdade. Não enganarei a ninguém. Respeitarei o meu próximo e procurarei ajudá-lo honestamente. Jamais abusarei da ignorância ou da ingenuidade do meu próximo. Controlo as minhas palavras, e nunca falarei mal de ninguém. Domino os meus nervos. Quero ser calmo e paciente. Amo e respeito a todos. Invoco e chamo em meu auxílio as divinas forças de RAPHAEL, o inteligente Gênio governante de Mercúrio representante da Sabedoria e Inteligência de Deus, para que confirme e reforço em minha alma as suas qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma a INTELIGÊNCIA, a SABEDORIA, o DOMÍNIO PRÓPRIO, o EQUILÍBRIO e a VERDADE.

LUA – Ajuda-me, Senhor, a ser calmo, paciente e equilibrado. Preciso estabilizar a minha mente e afirmar os meus sentimentos. Quero ser firme e determinado. Sinto-me bem onde estou, e só me mudarei quando for absolutamente conveniente. Sou paciente e calmo, Não me deixarei levar por impressões negativas. Verei tudo com bons olhos e pensarei sempre bem. Procurarei cumprir minhas obrigações até o fim, com diligência e boa vontade. Invoco e chamo em meu auxílio as divinas forças de GABRIEL, o poderoso Anjo governante da Lua representante da Sensibilidade e do Poder Criador de Deus, para que confirme e reforço em minha alma as suas qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma o poder criador da IMAGINAÇÃO POSITIVA, a SENSIBILIDADE, o AMOR, a ESTABILIDADE, o EQUILÍBRIO e a FIRMEZA.

SATURNO – Ajuda-me, Senhor, a ser justo, amoroso e tolerante. Preciso ver tudo com bons olhos. Não quero ver o mal em coisa alguma, por que em tudo existe o Bem. Não me impressionarei com o aparente mal Quero pensar só no Bem. Sou otimista e alegre. Serei amigo de todos e procurarei cultivar as minhas amizades. Não me afastarei de ninguém. Não devo e não quero viver isolado. Trato a todos com respeito e consideração. Saberei perdoar as faltas que cometerem contra mim, e nunca guardarei ressentimentos. Não quero e não devo vingar-me. Sou altruísta e generoso. Amo e respeito os meus semelhantes. Quero ser um instrumento do Bem no mundo. Invoco e chamo em meu auxílio as divinas forças de CASSIEL, o justo Gênio governante de Saturno, representante da Justiça, do Direito, da Ordem e do Poder de Deus, para que confirme e reforce em minha alma as qualidades superiores que ele representa. Confirmo e reforço em minha alma os princípios do DIREITO, da JUSTIÇA, do RESPEITO, da ORDEM, do EQUILÍBRIO e da PAZ.

JÚPITER – Ajuda-me, Senhor, a ser justo, honrado e sincero. Preciso ser simples e modesto. Não sou vaidoso e não quero viver de ostentações e extravagâncias. Sou trabalhador e cumpridor dos meus deveres. Procurarei as boas amizades, e me afastarei dos lugares duvidosos e das más companhias. Quero ser honesto e justo para com todos. Não me meterei
em especulações, em jogos e apostas. Ganharei honestamente a minha vida. Procurarei ver a realidade das coisas e defender os interesses sociais. Respeito a sociedade e as leis, e procurarei defendê-las com firme decisão. Defenderei o que é justo e honesto, em todas as circunstâncias. Invoco e chamo em meu auxilio as divinas forças de ZACHARIEL, o generoso Gênio governante de Júpiter, representante do altruísmo, da Generosidade e da Misericórdia de Deus, para que confirme e reforce em minha alma as qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma a BONDADE, a GENEROSIDADE, o A1VIOR, a MISERICÓRDIA, o ALTRUÍSMO e a HONESTIDADE.

MARTE — Ajuda-me, Senhor, a ser calmo, paciente e tolerante. Preciso dominar o meu temperamento, e agir sempre com calma e prudência. Preciso tratar a todos com delicadeza e respeito. Respeito os meus semelhantes e tratarei a todos com urbanidade. Não sou exigente e não quero impor coisa alguma aos outros. Preciso respeitar a liberdade dos outros. Não devo e não quero impor coisa alguma aos outros. Invoco e chamo em meu auxílio às poderosas forças divinas de SAMAEL, o exaltado Gênio governante de Marte, e representante da Força e do Poder de Deus, para que confirme e reforce minha alma as suas qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma o ENTUSIASMO, a ENERGIA DINÂMICA E CONSTRUTIVA, o DOMÍNIO PRÓPRIO, a PACIÊNCIA, a PERSISTÊNCIA, o RESPEITO PELO MEU SEMELHANTE, e a TOLERÂNCIA.

URANO – Ajuda-me, Senhor, a ser paciente, tolerante e justo para com todos. Preciso dominar o meu temperamento. Não quero exaltar-me. Sou calmo e tolerante. Respeitarei a liberdade dos meus semelhantes e nunca imporei minhas opiniões a ninguém. Respeitarei a ordem. Quero ser equilibrado, e justo em todas as coisas. Não me deixarei levar por nenhuma ideia extremista. Não quero ser extravagante e excessivo. Preciso dominar o meu sensualismo. Respeito as minhas forças criadoras. Sou senhor de mim mesmo. Invoco e chamo em meu auxílio às poderosas forças divinas de IT’HU-RIEL, o generoso Gênio governante de Urano, e representante do Altruísmo e da Generosidade de Deus, para que confirme e reforce em minha alma as suas qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma o AMOR ALTRUÍSTA, a GENEROSIDADE, o RESPEITO PELO MEU SEMELHANTE, a CALMA, o EQUILÍBRIO e a PACIÊNCIA.

NETUNO – Ajuda-me, Senhor, a ser firme, positivo e senhor de mim mesmo. Desenvolvo a minha vontade. Preciso ver a realidade das coisas. Preciso dirigir a minha vida. Não me deixarei levar por imaginações e fantasias. As sugestões e opiniões alheias não me afetam. Sou livre e independente. Sou positivo em qualquer circunstância. Não aceitarei sugestões negativas de ninguém. Fecho minha alma a qualquer influência estranha. Sou senhor de mim mesmo. Não sou supersticioso e não temo coisa alguma. Tenho fé em Deus. Invoco e chamo em meu auxílio às poderosas forças divinas do poderoso Gênio governante de Netuno, e representante da Sabedoria e do amor de Deus, para que confirme e reforce em minha alma as suas qualidades superiores. Confirmo e reforço em minha alma a INTELIGENCIA, a SABEDORIA, o DOMINIO PRÓPRIO, a POSITIVIDADE, o EQUILÍBRIO e a FIRMEZA.

ORAÇÕES PARA PLANETAS DESFAVORÁVEIS

SOL — Ajuda-me, Senhor, a ser diligente, trabalhador e fiel cumpridor de meus deveres. Preciso dirigir minha vida para um alvo definido e nobre. Quero respeitar a todos. Não abusarei da fraqueza ou da ignorância dos outros. Defenderei o que é justo e bom. Não temo coisa alguma, porque Deus está comigo. Amo ao meu próximo, como a mim mesmo.

VÊNUS — Ajuda-me, Senhor, a ser virtuoso, controlado e respeitador. Preciso dominar a sensualidade. Não me entregarei a excessos de nenhuma espécie. Seguirei unicamente aquilo que for superior, justo e nobre. Sou diligente e esforçado em tudo o que faço. Cumprirei os meus deveres com firme determinação. Respeito a mim mesmo.

MERCÚRIO — Ajuda-me, Senhor, a ser calmo, paciente e determinado. Serei firme em meus empreendimentos. Preciso ser perseverante. Preciso examinar profundamente as coisas e desenvolver o meu entendimento. Procurarei descobrir o lado superior de todas as coisas. Controlo as minhas palavras, e só falarei o que for justo, honesto e verdadeiro. Cumprirei
fielmente as minhas obrigações.

LUA — Ajuda-me, Senhor, a ser positivo, realista e confiante. Preciso ver a realidade das coisas. Não me abandono aos sonhos e fantasias. Sou firme em minhas decisões e persistente em tudo o que faço. Vejo tudo com bons olhos e não me impressionarei com coisa alguma. Considero tudo com seriedade. Tenho confiança no bem.

SATURNO — Ajuda-me, Senhor, a ser otimista, altruísta e generoso. Preciso ver tudo com bons olhos. Deus está em tudo o que acontece, e por isso procurarei ver o lado bom de todas as coisas. Não sou malicioso nem pessimista. Sou alegre e procuro alegrar a todos os que me rodeiam. Preciso de boas companhias. Procurarei cultivar boas amizades. Amo ao
meu próximo, como a mim mesmo.

JÚPITER — Ajuda-me, Senhor, a ser diligente, trabalhador e fiel cumpridor dos meus deveres. Seguirei o que for justo, honesto e legítimo. Respeitarei a ordem, os interesses sociais e o bem coletivo. Desenvolvo em mim o respeito por tudo o que é nobre, justo e bom.

MARTE — Ajuda-me, Senhor, a ser calmo, dedicado, atencioso e paciente para com todos. Domino o meu temperamento, e tratarei a todos com urbanidade. Não sou egoísta. Defenderei o interesse de todos. Domino os meus impulsos, e agirei com calma, aconteça o que acontecer. Sou senhor de mim mesmo.

URANO — Ajuda-me, Senhor, a ser calmo, equilibrado e respeitador dos interesses sociais. Domino o meu temperamento e não me deixarei levar por excessos. Sou tolerante e paciente para com todos. Desenvolvo o meu senso de responsabilidade. Serei altruísta e generoso. Sou calmo e paciente, em todas as circunstâncias.

NETUNO — Ajuda-me, Senhor, a ser sincero, verdadeiro, honesto e generoso. Não devo enganar a ninguém. Domino a minha sensibilidade. Não aceitarei más sugestões e só seguirei o que for justo e nobre. Não deixarei que as circunstâncias me afetem e me desviem das minhas boas decisões. Sou senhor de mim mesmo.

Orações e Preces Diárias

Aviso: As preces e orações a seguir foram organizadas para serem praticadas na sequência aqui sugerida. 

Exortação

Caro leitor, antes de praticar estas Preces e Orações diariamente, leia-as todas uma por uma com atenção. Examine cada uma delas e procure perceber se de fato expressam algum benefício para seu desenvolvimento espiritual. Encontre a real intenção, em seu coração, para essa prática em sua vida. Confie em DEUS quando orar, sem o que jamais poderá ser atendido em suas petições. Uma vez convencido de que estes piedosos exercícios podem ser-lhe úteis, é fundamental observar alguns conselhos para a sua prática:

  • Se possível, tenha um lugar apropriado para as práticas;
  • Reserve um momento a cada dia para essa prática, e observa-a inviolavelmente, enquanto for possível;
  • Tenha um quadro ou imagem (de qualquer tamanho) de Cristo-Jesus ou do Símbolo Rosacruz;
  • A força espiritual percorre de leste para o oeste. Durante a prática, é preferível estar voltado para o oeste com a imagem a sua frente;
  • Antes iniciar as orações, prepara a tua alma; encontre a sua real intenção para realizar essas preces; levanta teu espírito a Deus e pede-lhe luzes;
  • Os desejos e as emoções mais elevados do Corpo de Desejos formam a Alma Emocional. Quando orar, procure formar e empregar os melhores impulsos do seu coração, conforme o assunto;
  • Ore, não apressada, mas atentamente, e com alguma pausa entre as frases. Seria útil reler a miúdo os trechos que mais te impressionarem;
  • Encerra a leitura com breve aspiração a Deus, pedindo-lhe que conserve e fecunde a semente lançada em tua alma, para produzir fruto centuplicado.

O lugar da oração é de vital importância, por uma razão que a maioria das pessoas desconhece, até mesmo entre os Estudantes Rosacruzes. Ei-la: cada oração, seja falada ou meditada, cada canto de louvor ou de rogo e cada leitura sentida das passagens dos Evangelhos, quando são feitas por uma pessoa cuidadosamente preparada, que ame e viva o que lê, derramam sobre os presentes e sobre o lugar da oração a graça do espírito. Desse modo, com o tempo se constrói, ao redor e dentro do edifício físico, um templo invisível que, no caso de uma fraternidade como a nossa, constituída de pessoas idealistas, esclarecidas e de nobres sentimentos, aparece aos olhos clarividentes com uma transcendental beleza de colorido e de formas, além de tudo o que podemos imaginar e que desafia toda a descrição.

Tanto a devoção aos elevados ideais, como também o cultivo de sentimentos elevados, restringem os instintos animais e desenvolvem a Alma Emocional. A parte mais sutil do Corpo de Desejos é a Alma Emocional. Essa Alma será assimilada no futuro, pelo veículo Espírito Humano. Sabemos que essa parte mais sutil é capaz de separação na maioria das pessoas. Assim, por meio da concentração e do emprego de fórmula apropriada, essas partes mais sutis dos veículos podem isolar-se para serem empregadas durante o sono ou em qualquer outra hora, deixando as partes inferiores dos Corpos Vital e de Desejos encarregadas dos processos de restauração do veículo denso. Quanto mais desenvolvida for a Alma Emocional, mais capacitado estará para ver a essência das coisas e também para servir nos planos internos.

Nossas orações e pedidos de ajuda aos que necessitam devem ser seguidas de uma vida de amor ao próximo, evitando-se as críticas desairosas, os maus pensamentos e desarmonia. É preciso fazer sacrifício, ser tolerante e leal, e estar sempre pronto para perdoar tudo o que nos façam de mal.
Os princípios que nos levam a Deus, Cristo-Jesus os enumerou quando, ensinando aos seus Discípulos, disse que o maior dos Mandamentos será sempre: AMAR A DEUS SOBRE TODAS AS COISAS E AO PRÓXIMO COMO A NÓS MESMOS. Este é o Grande Mandamento ao qual naturalmente conduz ao segundo Mandamento de Cristo: CURAR OS ENFERMOS.
Entendido tudo isso, leia diariamente, estimado Amigo, passagens dos Evangelhos e escolha dentre aquelas que mais tocam seu coração. Procure também cultivar sua razão, para poder alcançar o equilíbrio entre a “cabeça e o coração”. Em pouco tempo sentirá uma verdadeira transformação em si, tão mais completa quanto for a sua sinceridade e persistência com que aja no exercício destas piedosas Práticas e Orações.

Sede Central do Brasil – Maio de 2023.

Início da prática:

Descobrir o Símbolo Rosacruz

Evangelho segundo São João

No Princípio era o VERBO, e o VERBO estava com DEUS, e o VERBO era DEUS. ELE estava no Princípio com DEUS. Tudo foi feito por ELE; e nada do que tem sido feito, foi feito sem ELE. NELE estava a Vida, e a Vida era a Luz dos homens. A Luz resplandece nas trevas, e contra Ela as trevas não prevaleceram. … O VERBO se fez carne e habitou em nós, cheio de graça e de verdade, e vimos a Sua Glória, glória como no Unigênito do PAI.

Recitar o Pai-Nosso…

SENHOR MEU DEUS:

Mais um dia tenho para viver na grande escola da vida. Diante de mais essa oportunidade que me é concedida, peço-Te Senhor, de todo o meu coração, que eu possa compreender melhor, cada dia que passa, os meus deveres, para poder realizá-los com verdadeira calma, paciência, tolerância e completo perdão de todas as coisas que possam agir contra mim.

Movido por sentimentos de Amor sincero e fraternal e em comunhão espiritual com todos os meus irmãos cujo ideal é servir à Humanidade, estou buscando em Ti meu Espírito, todos os meios possíveis de melhor SERVIR e AJUDAR.
De olhos levantados para os Céus, peço SENHOR DEUS meu, que me dês Luz e Entendimento Espiritual para que eu possa corrigir os meus erros e defeitos e transformar-me num vivente Servidor da Humanidade.

Sempre munido de um desejo ardente e fervoroso de que me assistas Senhor Deus meu, em tudo o que penso, digo e faço dentro da Tua Luz e Amor, peço Senhor, de todo o meu coração, que me dês forças e meios para poder servir melhor cada dia aos meus queridos irmãos.

Amparado e protegido por tão altos sentimentos de Amor, que me transformam e elevam, espero Senhor meu Deus, que minhas Preces e Orações, mensagens de minha alma, que sempre estão a caminho do Bem, possam ajudar a todos que necessitam de Paz, Saúde e de conforto espiritual.

Que Tua Divina Presença esteja sempre comigo Senhor, em todos os momentos de minha vida.

Teus mensageiros de Luz venham dirigir e guiar minha mão, quando com ela esteja dando o meu coração.

ORAÇÃO DO ESTUDANTE ROSACRUZ

Aumenta o meu amor por Ti Senhor, para que eu possa servir-te melhor a cada dia que passa.

Faze que as minhas palavras e os ditames do meu coração sejam sempre agradáveis à Tua Presença.

Oh! Senhor! Minha Força e meu Redentor!

Jesus Cristo, Senhor e Mestre, Sublime Espírito do Bem, desejando ser mais útil e servir melhor cada dia aos meus queridos irmãos, venho espontaneamente, sempre que posso oferecer aos Grandes Obreiros, Guias e Auxiliares Invisíveis a essência dos bons atos que procuro realizar em benefício dos demais.

Tenho como princípio o Sacrifício, como prova de Amor ao próximo, desejo e quero Senhor, trabalhar e cooperar na Obra benfeitora que vem sendo realizada pelos Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz, em favor da Humanidade.

Que as minas Preces e Orações, dirigidas aos meus irmãos, dia após dia, possam unir-nos, mais e mais, na melhor compreensão espiritual, para que todos vivamos neste mundo com Amor, Tolerância e Perdão.

É desta Forma, Senhor Cristo-Jesus, que desejo e quero viver no meio dos Homens, meus queridos irmãos, para sentir-se mais perto de Vós Senhor, e mais perto de Vós, sentir o Amor e o Bem, que de mim são dirigidos a todos sem distinção.

Recitar o Pai-Nosso…

Meigo e Divino Guia da Humanidade, Excelso Espírito de Cristo que vos dignastes vir ao mundo dirigir e guiar o Gênero Humano no Caminho da

Evolução, meu coração, jubiloso e contrito, vem tributar-Vos louvor e gratidão.

Como Filho da Luz e seguidor da Doutrina Unificadora, desejo ardentemente torna-me cada vez mais digno de receber o Vosso Amor e Sabedoria e assim contribuir com o meu esforço e exemplo para a regeneração de todos os Homens.

ORAÇÃO DE S. FRANCISCO DE ASSIS

SENHOR! Fazei-me instrumento de Vossa Paz:

Que onde haja ódio eu possa semear Amor;

Onde haja injúria, Perdão;

Onde haja dúvida, Fé;

Onde haja desalento, Esperança;

Onde haja sombra, Luz;

Onde haja tristeza, Alegria;

Onde haja discórdia, União.

Divino Mestre! Fazei que eu não procure ser consolado, mas Consolar; que eu não procure ser compreendido, mas Compreender; que eu não procure ser amado, mas Amor. Porque é dando que recebemos; é perdoando que Vós nos perdoas; e é morrendo em Vós Senhor, que nascemos para a Vida Eterna!

SENHOR DEUS PAI ONIPOTENTE, que me livrais dos sofrimentos e perdoais com Vossa infinita misericórdia todos os erros; Vós que curais as enfermidades; que dissipais as dores; que enxugais os prantos e provedes as necessidades, fazei que por meio de minha fé e Vosso Amor, eu possa contemplar as Vossas Obras; compreender o que esculpistes com o Verbo nas páginas do Grande Mistério, e ouvir as harmonias da Vossa Majestade, no Templo da Vossa Luz que brilha e resplandece em todos nós, Vossos filhos.

Clareai, Senhor, minha alma com o fulgor da grande Alma que sois! Fazei que agora sempre Cristo viva dentro de mim, como absoluto Senhor e me liberte, encaminhando-me para a Luz e para servir como instrumento do Bem, a Vós Pai, Senhor e Mestre que Vos dignastes vir ao Mundo como Salvador da Humanidade; e a Vós Irmãos Maiores, que imbuídos pelo Amor de nosso Senhor Jesus Cristo, trabalhais e viveis pela libertação Espiritual de todos os homens.

Para que mais eficientes se tornem minhas Preces e Orações, e mais alto possa subir minha alma, dirijo-me em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, aos meus irmãos e irmãs que me tenham prejudicado ou criticado; meus irmãos nos hospitais; aos recolhidos a prisões; a todos os que sofrem no mundo e a toda humanidade, desejando-lhes, ardente e fervorosamente, Paz, Saúde e Felicidade.

Consciente e confiante no Divino Amor que vem do Alto, e certo de que Vós Cristo-Jesus e vós Irmãos Maiores, estais sempre presentes às almas que buscam Luz e Amor, espero e confio que minhas Preces e Orações sejam levadas a todos a quem me tenho dirigido, a fim de que mais e mais possamos estar unidos, trabalhando e vivendo pelo mesmo Ideal que é Cristo em nossos corações.

Que jamais as forças negativas deste mundo possam impedir as Mensagens que vos dirijo, irmãos e irmãs, para que somente o Amor Divino, viva para sempre em nosso íntimo.

Abertos e desimpedidos estejam sempre os Caminhos, Senhor Deus Pai, para as minhas Preces e Orações para poderem atingir o objetivo desejado, porém, como só Vós Abeis Senhor o que melhor convém a cada um, faça-se em tudo a Vossa Vontade e não a minha.

ORAÇÃO ROSACRUZ

“Não Te pedimos mais luz, ó Deus, senão olhos para ver a luz que já existe;
não Te pedimos canções mais doces, senão ouvidos para ouvir as presentes melodias;
não Te pedimos mais força, senão o modo de usar o poder que já possuímos;
não mais Amor, senão habilidade para transformar a cólera em ternura;
não mais alegria, senão como sentir mais próxima essa inefável presença, para dar aos outros tudo o que já temos de entusiasmo e de coragem;
não Te pedimos mais dons, amado Deus, mas apenas senso para perceber e melhor usar os dons preciosos que já recebemos de Ti.
Faze que dominemos todos os temores;
que conheçamos todas as santas alegrias;
para que sejamos os Amigos que desejamos ser;
para transmitir a Verdade que conhecemos;
para que amemos a pureza;
para que busquemos o Bem.
E, com todo o nosso poder, possamos elevar todas as Almas, a fim de que vivam em harmonia e na luz de uma perfeita Liberdade”.

Assim seja

ENCERRAMENTO

Agora que vou encerrar minha prática espiritual, cuja finalidade é levar Paz, Saúde e Luz a todos os meus irmãos e irmãs que sofrem no mundo, e bem assim a toda a humanidade, seja ela, também, meu Defensor e Guardião em todos os passos que eu tenha que dar no cumprimento dos meus deveres e obrigações no decorrer do hoje.

Que a Oração Rosacruz, sempre lembrada e sentida nos corações das grandes almas que a ela entregam sentimentos de almas que a ela entregam sentimentos de Amor, Pureza e Sinceridade, sejam também o Condutor e Luz de minhas Preces e Orações, mensagens de minha Alma que tem como único objetivo e direção, os Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz para que as utilizem no seu benéfico serviço em prol da Humanidade.

Terminada a minha prática devocional, desejo Luz, Paz e Amor a todos os meus irmãos e irmãs sem distinção nem restrição, para que as Rosas floresçam em suas Cruzes.

Assim seja

Recitar o Pai-Nosso…

Levantar-se e cobrir o Emblema Rosacruz.

Prece às Refeições

Nós Te agradecemos, Senhor, por este alimento.

Por ele, em qualquer tempo e lugar a Santa Ceia se repete novamente, pondo-nos em comunhão com Teu Corpo e Teu Sangue.

Abençoa pois, a nossa refeição e ajuda-nos a assimilar-lhe a vida que é a Tua Vida compenetrando tudo, bem como santifica-la, empregando-a no que seja realmente verdadeiro, belo e bom, a serviço da humanidade.

Também te pedimos, Senhor, por todos que abusaram de Tuas dádivas e hoje, sob a Lei de Causa e Efeito, não tem o que comer.

Que assim seja

Prece de Encerramento

Agora que vou encerrar minha prática espiritual, cuja finalidade é levar Paz, Saúde e Luz a todos os meus irmãos e irmãs que sofrem no mundo, e bem assim a toda a humanidade, seja ela, também, meu Defensor e Guardião em todos os passos que eu tenha que dar no cumprimento dos meus deveres e obrigações no decorrer do hoje.

Que a Oração Rosacruz, sempre lembrada e sentida nos corações das grandes almas que a ela entregam sentimentos de almas que a ela entregam sentimentos de Amor, Pureza e Sinceridade, sejam também o Condutor e Luz de minhas Preces e Orações, mensagens de minha Alma que tem como único objetivo e direção, os Irmãos Maiores da Ordem Rosacruz para que as utilizem no seu benéfico serviço em prol da Humanidade.

Terminada a minha prática devocional, desejo Luz, Paz e Amor a todos os meus irmãos e irmãs sem distinção nem restrição, para que as Rosas floresçam em suas Cruzes.

Assim seja

Oração de São Francisco de Assis

SENHOR! Fazei-me instrumento de Vossa Paz:

Que onde haja ódio eu possa semear Amor;

Onde haja injúria, Perdão;

Onde haja dúvida, Fé;

Onde haja desalento, Esperança;

Onde haja sombra, Luz;

Onde haja tristeza, Alegria;

Onde haja discórdia, União.

Divino Mestre! Fazei que eu não procure ser consolado, mas Consolar; que eu não procure ser compreendido, mas Compreender; que eu não procure ser amado, mas Amor.

Porque é dando que recebemos; é perdoando que Vós nos perdoas; e é morrendo em Vós Senhor, que nascemos para a Vida Eterna.

Amém

Serviço Devocional – Meditação pela PAZ Mundial

Explicações o sobre o Serviço

O impulso iniciado por Cristo incita o ser humano a exercer sua prerrogativa como Indivíduo e a elevar-se sobre a família, a tribo e a nação. Toda forma de coletividade é efeito direto ou indireto da Força do Espírito de Raça sobre o Espírito individual. Sob a direção do Espírito de Raça, tanto a nação, como a tribo ou a família prevaleciam, eram consideradas em primeiro lugar, e o indivíduo por último. Quanto mais fraco for o Espírito individualizado, mais forte será o efeito do Espírito de Raça, a hereditariedade, presa a Lei de Consequência. Até agora o ser humano está sob a influência do dominante Espírito de Raça.

“Abandonar Pai e Mãe” não significa menosprezar a família ou a pátria. O ser humano deve cumprir todos os seus deveres, mas reconhecendo seu parentesco com o resto do mundo, deve cessar de identificar-se com uma parte. Esse é o ideal dado à humanidade por Cristo.

Espírito de Raça, de tribo, de comunidade ou de família, até que cada indivíduo se torne capaz para agir em plena harmonia com a lei cósmica. Só então o Ego se libertará e se tornará inteiramente independente do Espírito-Grupo, que por sua vez entrará numa fase superior de evolução. É exatamente isso o que o seguinte ensinamento de Cristo quer dizer: “Antes de Abraão, EU SOU”; A semente de Abraão se refere aos Corpos presos na hereditariedade, nas raças; “o EU SOU”, significa que o Ego Individual já existia antes da raça e deve retornar a se manifestar sem as influências da coletividade.

Ora, temos em nós, o poder de apressar esse dia da paz: o Dia em que poderemos afirmar que “O mundo é minha pátria”. Podemos enviar nossos sentimentos de Amor, que busca a PAZ para os Espíritos de Raças de todas as nações e raças. Isso pode ser feito especialmente quando a Lua está transitando entre os Signos de Água: Câncer, Escorpião ou Peixes.

Usemos os dois dias e meio que a Lua transita por cada um desses signos para propósito de meditar sobre a paz – Paz na Terra e boa vontade entre os homens. Mas, ao fazê-lo, estejamos certos de não tomar partido, a favor ou contra, por quaisquer das nações conflitantes. Lembremos a todo instante que cada um dos seus membros é nosso irmão. Cada um merece o nosso amor tanto quanto o outro. Tenhamos em mente que o que queremos ver é a Fraternidade Universal sobre a Terra, ou seja, a paz na Terra e boa vontade entre os homens, a despeito de terem os combatentes nascidos de um lado ou de outro das linhas traçadas nos mapas, ou como eles se expressam neste, naquele ou em qualquer outro idioma. Oremos para que a paz possa reinar sobre a Terra. Uma paz duradoura e uma boa vontade entre todos os homens, não importando quaisquer diferenças de raça, cor ou religião. Enquanto tenhamos êxito em formular com os nossos corações e não apenas com os nossos lábios essa prece impessoal a favor da paz, estaremos antecipando a chegada do Reinado de Cristo para recordar que é a Ele que estamos todos destinados na época oportuna – o reino dos céus, onde Cristo é “Rei dos reis e Senhor dos senhores

Serviço Devocional – Meditação pela PAZ Mundial

Descobrir o Símbolo Rosacruz e dizer:

“Que as rosas floresçam sobre a vossa cruz!”

Existe uma única força no universo: a força de Deus, que Ele lançou ao espaço na forma de Verbo, que não é uma simples palavra ou som, mas um Fiat Criador. Esse Fiat Criador transformou os milhões e milhões de átomos em estado caótico, em figuras e formas que vão desde a estrela-do-mar à estrela dos céus, desde o micróbio ao homem; de fato, todas as coisas e seres que constituem e povoam o universo.

Os fonemas ou tons deste verbo criador vão sendo emitidos, sucessivamente, ao longo das eras, originando novas espécies e fazendo evoluir as anteriores. E tudo isso, seguindo fielmente o pensamento e o plano concebido pela Mente Divina, antes que essa efusão dinâmica de energia criadora fosse dirigida aos abismos espaciais.

Deus é a única fonte de poder e Nele, real, verdadeira e literalmente, vivemos, nos movemos e temos nosso ser. Não foi, pois, um mero sentimento poético que fez o salmista exclamar: “Aonde me esconderei de Teu Espírito? Aonde fugirei de Tua presença? Se ascendo ao alto dos céus, ali estás Tu. Se preparo meu leito na tumba, ali Te encontras. Se, nas asas da aurora, vou habitar no mais distante mar, também ali conduzirás tua mão e tua destra me sustentará. ” Todos conhecemos o poder do pensamento dirigido a um propósito determinado. Unamos, pois, nossos pensamentos aos de todos os amantes da paz, enquanto formulamos a seguinte oração: Oh Pai Celestial. Conforme a Tua Vontade, que o princípio Amor Sabedoria do poder divino erradique a discórdia e estabeleça a harmonia e a paz universais nos corações e nos assuntos humanos”

Recitar a Oração Rosacruz

Cobrir o Símbolo

Compartilhe e ajude a chegar mais longe

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email