Search
Close this search box.

Como Reger Nossas Estrelas

Cartas aos Estudantes nº 8, agosto de 1911.

Espero que você tenha apreciado a lição passada, Carta nº 7, sobre “O Mistério da Luz, Cor e Consciência”, e que você agora tenha uma maior compreensão do qual é o significado da sentença bíblica: “n’Ele nós vivemos, nos movemos e temos nosso ser”, porquanto, em todas as partes onde quer que a luz penetre, ali também está Deus. Mesmo nos lugares que nós chamamos de escuros, porque a constituição dos nossos olhos nos priva da percepção dos objetos que nesses lugares estão, órgãos de visão constituídos de maneira diferente podem funcionar nesses lugares, como acontece, por exemplo, os gatos e as corujas.

Cristo disse: “Deixai brilhar a vossa luz”. À visão espiritual, cada ser humano aparece como uma chama de luz, de colorido variado conforme a inclinação característica ou habitual ou o modo de resposta emocional dele, e de maior ou menos brilho em proporção à pureza do seu caráter. A ciência descobriu que toda a matéria está em permanente movimento, que as partículas que compõem os nossos corpos decaem continuamente e são eliminadas do organismo, para serem substituídas por outras, que permanecem um curto espaço de tempo até que também se decompõem. Da mesma forma, nossos humores, nossas emoções e nossos desejos mudam a cada instante, o antigo dando lugar ao novo em uma sucessão interminável. Portanto, eles também devem ser compostos de matéria e sujeitos a leis semelhantes àquelas que regem as substâncias físicas visíveis.

Nós até podemos e mudamos a nossa Mente; podemos cultivá-la em uma ou em outra direção como quisermos, assim como podemos desenvolver os músculos dos braços e das pernas ou podemos permitir que os membros se atrofiem. Portanto, a Mente também deve ser composta de uma substância mutável. Mas o Ego, o Pensador, nunca perde a identidade do “Eu”. Nos dois casos, tanto na infância como na velhice, este “Eu” permanece igual, independentemente das mudanças nos pensamentos, sentimentos, nas emoções e nos desejos. Embora o Corpo, que usamos como uma vestimenta, mude com o passar dos anos, nós somos eternamente os mesmos.

A qualidade de mutabilidade da matéria e a evanescência da forma são a base de todo progresso espiritual, entretanto, se a matéria fosse imutável como é o Espírito, não haveria possibilidade alguma de progresso ou de avanço. Enquanto formos levados pela maré da vida e não controlarmos, conscientemente, o fluxo e refluxo da matéria para dentro e para fora do nosso ser, seremos joguetes das circunstâncias. Então, quando um raio de Marte é projetado em um determinado ângulo sobre os átomos do nosso Corpo, sentimos toda a agressividade que ele carrega. Por outro lado, um raio de Saturno nos provoca depressão, enche-nos de melancolia e de terríveis pressentimentos. Mas, à medida que evoluímos e chegamos a uma compreensão do mistério da luz, da cor e da consciência, vamos aprendendo, gradualmente, a reger nossas estrelas. Então, em conformidade às Leis da Natureza, nos tornamos senhores e senhoras do nosso próprio destino; e é de importância vital que não importa quais sejam os aspectos que possam nos influenciar em um determinado momento, devemos sempre afirmar e dizer:

“Não importa quão estreito seja o portão,

Quão cheio de punições o pergaminho.

Eu sou o mestre do meu destino.

Eu sou o capitão da minha alma”.

Por Max Heindel – livro: Cartas aos Estudantes – nº 8 – Agosto de 1911.

Compartilhe e ajude a chegar mais longe

Facebook
Telegram
WhatsApp
Email

Uma resposta

  1. Eu sou extremamente grata por todos ensinamentos. Não existe palavra para expressar, o que tão elevados ensinos me causam.☀️☯️💖♾️

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Search

Materiais de apoio